5.3.09

Longe de casa há mais de uma semana.

não sei porque que eu fui dizer bye bye,

Hora Local (Trinidad & Tobago): 22h20
Hora do Brasil: 23h20


Agora aqui no crew bar ta tendo Disco, e ta tocando umas músicas da night indiana, tipo Bollywood, sabe? Ta divertido!

E como sempre, nem sei o que dizer sobre a manhã. Mas tomei a bendita vacina e peguei meu Laminex. Mas ah, sim, lembrei. Hoje teve crew drill, e isso quer dizer que soou o alarme de emergência pra teste, pra cada um ir pra sua posição e tals. Enfim, e eu fui. Como nunca tinha feito, fui até o meu local de emergência, e perguntei onde exatamente eu tinha que ficar. Me falaram que pelo meu Blue Card, era área B. Eu fui, fiquei lá. Daí teve uma chamada em TODOS os auto-falantes do navio por nomes de pessoas que ainda não estavam em suas posições. E eu fui chamado. CACETE, eu tava no lugar que me falaram. Mas ok, fui lá perguntar se eu tava certo. E me confirmaram na lista, dizendo que eu tava. Então sentei de novo. Depois de um tempo, teve outra chamada no auto-falante, e me chamaram de novo. PQP! Já fiquei puto. E fui perguntar pra outra pessoa, e me disseram que eu deveria ligar pra Bridge (acho que significa cabine de controle), e eu liguei. PQP de novo, porque levei uma bronca enorme do chefe de segurança, dizendo que eu era irresponsável, que deveria estar na minha posição, que se fosse um acidente de verdade eu seria culpado por várias coisas e bla bla bla... e apesar de eu explicar o que aconteceu, de eu ter perguntado onde era e tal, não tive chance e fiquei com a culpa. E se isso acontecer de novo eu levo uma advertência. Bem, isso e mais a vergonha de ter que levantar no meio de 300 pessoas pra ir ligar pra Bridge, ter meu nome chamado pra 5 mil pessoas ouvirem duas vezes, foi o suficiente pra me deixar bem puto, porque eu tava levando uma culpa que não era minha. Mas beleza, passou. Agora já sei onde tenho que ficar e das próximas eu acerto sem ter que perguntar. Foda que depois todo mundo que sabia meu nome vinha me perguntar o que aconteceu comigo, que tinha ouvido a chamada e tals. Que merda!

Ok, acho que foi o suficiente pra manhã.

No break das 2h30 às 5h, finalmente desci do navio. Fui com Patrícia (México), Elena (Ucrânia) e Zdravzkov (Macedônia) pro centro da cidade. O porto é também um porto de cargas, então é meio sujo e tals, bem diferente da água verdinha de Curaçao, mas claro que fiquei encantado com tudo, porque era minha primeira saída, minha primeira vista de uma cidade/país tão diferente. Só existe marca de carro que no Brasil é importante, tipo Honda, Toyota, Nissan, só que lá é carro popular. E eles dirigem do lado direito! Achei tão divertido! As pessoas são todas negras, e eles falam inglês. Vi criancinhas de 2 ou 4 anos de dread no cabelo. E sei lá, a cidade em si não é tão diferente da Augusta de São Paulo, por exemplo. Uma zona na rua, com vendedores de bugigangas, várias lojinhas de souvenir, etc. Entramos numa lojinha e andamos bastantinho até. Não lembro o nome da moeda corrente, só sei que eles chamam de dólar, quando na verdade tem outro nome. Só que o suposto dólar deles vale muito pouco, numa proporção de 1 pra 6 do dólar americano. Eu tava achando as coisas caras lá, vendo tudo preço de dólar, até que descobri que era o dólar local, não o americano. Mas sobre a saída, foi só isso. Fiz vídeos e fotos. Tivemos que voltar rápido. Acabamos ficando fora só por 1 hora, porque até sair do navio já eram 3h da tarde, e tínhamos que voltar antes das 4h, porque tripulante tem que estar no navio 1h antes dele partir, e ele parte quase sempre às 5h. Daí é foda!

Amanhã chegaremos em Barbados. Dizem que a praia é bonita, mas tem que pegar táxi pra sair do porto e ir até lá. Vamos ver!

E no trabalho foi tudo bem hoje. A Patrícia trabalhou conosco, então o ambiente tava melhor com uma ucraniana a menos. O Vitaly (Ucânia) é mandão, mas sabe que eu faço as coisas sem ter que pedir. Já a Tetiana (Ucrânia) é uma mandona chata, que manda fazer coisas idiotas e ainda quer que faça na hora. Deuzolivre. Ainda bem que ele não esteve conosco hoje. E que continue assim a escala.

Já esqueci 18 coisas pra contar, mas nem dá nada. Mas antes que eu esqueça, fiquei até emocionado com o comentário do Cristofer de uns dias atrás. Grande amigo. E, claro, eu sempre lembro dos tempos da cantina do Unicenp aqui, porque o trabalho é muito parecido, e foi lá na cantina que eu tive a base pra fazer o que to fazendo hoje aqui. Então devo muito a esse 1 ano e meio que passei lá.

E eu sei que tem mais algum comentário pra eu dizer alguma coisa, mas como to escrevendo offline não tenho como ver. Mas ta, por hoje chega. Tento postar as fotos de Trinidad & Tobago no orkut hoje.

Ah, e claro, faz uma semana que saí de casa pra entrar nessa aventura, e sinceramente não posso dizer que o tempo voou (apesar de nem saber que dia da semana é hoje), porque pra mim parece que estou há meses no navio; já estou bastante familiarizado com as coisas.

Tchau!
.