25.4.09

Você já foi à Paris, nego?

Não? Então vá.

Hora Local (Southampton - Inglaterra): 11h10
Hora do Brasil: 06h10

EU FUI PRA PARIS, PORRA! COM AS MINHAS PRÓPRIAS PERNAS, COM O MEU PRÓPRIO TRABALHO, COM O MEU PRÓPRIO ESFORÇO, SEM AJUDA DE UM FILHO DA PUTA QUALQUER. AGORA PENSEM DUAS VEZES ANTES DE DUVIDAREM DE MIM.

Pronto, já passou. =)

Paris, ca#$%^&! Não, o navio não para em Paris, ele para em Le Havre, há 200 milhas de Paris. E ir pra lá é coisa para poucos. Vou resumir a novela e tentar contar em mini-série.

Paramos ontem em Le Havre, e somente pela manhã decidi ir pra Paris, de trem, já que era meu day off. Eu iria sozinho mesmo, já que o FDP do supervisor não quis me ajudar me deixando sair mais cedo pra ir com o tour. (ele disse: - “se nem eu vou à Paris, porque vou deixar que você vá?”) Mas comentei com um músico que ia, ele se interessou e quis ir junto. Saímos voando do porto e fomos pra estação, que a gente não tinha menor idéia de onde era. Encontramos com outros 4 que iam se aventurar também, mas eles já tinham visto tudo do trêm e ia demorar demais pra partir, e pra voltar, então teríamos como que 30 min em Paris. Sem chance. Estávamos desistindo já, mas decidimos perguntar quanto seria um táxi. 560 euros. PQP! Mas ok, fechamos por 460 e deu 75 pra cada um. Teríamos que estar de volta no navio às 18h, então decidimos que deveríamos sair de Paris às 15h. Tudo foi perfeito. Chegamos em Paris por volta de meio dia, com 1h30 de viagem. Chorante. CHO-RAN-TE. Não tem como se conter diante de tanto glamour que se criou em Paris, e você estar ali no meio de tudo isso é algo inexplicável. Nunca foi meu sonho de vida ir à Paris, mas uma vez que tive a chance, não quis desperdiçar. 75 euros é metade do meu salário de um cruzeiro inteiro, e gastei tudo isso numa tarde, por 3h em Paris. E valeu a pena. Não me arrependo. Fomos primeiro na Torre Eiffel e, CARALHO, que foda. Ela parece pequena de perto, e eu achava que ela era cinza (porque é de ferro, né), mas é marrom (?!). Coisa linda de se (vi)ver. Inacreditável. Até agora, um dia depois, ainda não me caiu a ficha de que eu tava ali num dos mais famosos cartões postais do mundo. Ta tudo meio feinho por ali, porque tão reformando umas partes, mas não tirou o brilho de tudo. Tirei muuuuuuuitas fotos, demasiado até. Não tenho como explicar isso, mas é demais. Se um dia tiver a chance, vá! Bem, depois fomos à Champs Élysées, simplesmente a rua mais famosa do universo, onde tem o Arco do Triunfo. (kct, fui ver a foto pra ver como se escreve Champs Élysées e já to chorando de novo. Simplesmente não dá pra acreditar, nem com foto, que eu estive lá. Porra!) Arco do Triunfo é lindo, enorme, charmoso. A rotatória ao redor dele deve ter umas 12 pistas. Eu e Hilda queríamos ir lá, mas não sabíamos como. Até que tonta saiu correndo no meio da rua e eu fui atrás. Dois retardados atravessando 12 pistas correndo, quase morrendo a cada passo. Mas foi uma das maiores emoções do dia e algo que não vou esquecer nunca. Fazer cagada de turista no país alheio é coisa que não se esquece nunca. Pra voltarmos de lá, finalmente encontramos um túnel que sai do outro lado da rua. Mas e daí? Somos “turistas” e podemos fazer cagada. Ah, e lá encontrei dois paisanos, pai e filho, que me viram com a bandeira do Brasil e vieram puxar papo: - “conquistamos Paris, hein?”.

Pula uma linha; parágrafo; sem travessão.

Fomos ao Louvre. Deuzmelivre. Que coisa gigantesca e mágica. Não pudemos descer porque não tinha onde parar o táxi, mas passamos por dentro beeem devagarinho pra tirar muitas fotos. Inacreditável estar ali, ver aquela imensidão toda, estar pertinho da Monalisa e ver a pirâmide de vidro do suposto “Código Da Vinci”. Eu enfiei a cabeça pra fora do carro e tirei uma foto com a pirâmide, só pra provar que estive ali. E dali fomos à catedral de Notre Dame. Aiai, é muita emoção pra um dia só, é muito cartão postal pra conhecer. E nessa altura já tinha acabado a bateria da minha máquina, porque tirei muitas fotos antes. Ou seja, não tenho fotos de lá, mas tenho vídeos. E é uma coisa linda também a igreja, pequena e glamourosa. Mas tem muita, muita gente visitando, então se torna meio insuportável estar lá. Mas foi o único lugar que paramos com tempo, sem ver tudo correndo. Deu pra ver com mais calma, e ainda tomei um café DE FRENTE pra igreja. Porque assim, eu não podia sair de Paris sem tomar um café numa cafeteria famosa, ainda mais de frente pra um cartão postal. Minha idéia era fazer isso com a torre, mas não deu, né.

Enfim, de lá fomos embora. Pontualmente às 3h, como combinamos. Só que a viagem de volta levou CINCO HORAS. Acidente na estrada, tumulto, e não se saía do lugar. Entramos em desespero, porque o navio partia às 18h30. “Fodeu, ficamos na França”. Eu tava adorando a idéia, mas os outros estavam morrendo de medo. Paris me encantou tanto que eu tava poético demais, pensando em ficar lá mesmo, ou mesmo em morrer ali mesmo pra poder morrer feliz. Mas infelizmente deu tudo certo. Droga! Tipo, conseguimos ligar pro navio (como? Nem eu sei), e nos avisaram que os ônibus de tour de passageiros também estavam atrasados e tals, então o navio partiria às 21h. Todos se acalmaram, só que todos já estavam atrasados pra começar a trabalhar. Pois bem, essa parte é a coisa chata. Chegamos no navio e todos já sabiam que um grupo estava “perdido” de táxi, já era notícia no navio, então todos vinham perguntar o que tinha acontecido ou tirar sarro da nossa cara. Como a notícia se espalhou eu não sei, mas foi engraçado até. O supervisor não disse muita coisa do atraso, porque ele foi avisado e tals. Mas depois fui falar a respeito de ir pro meu intervalo e ele veio me xingando, dizendo que eu tava atrasado e não ia fazer intervalo. Pra que, né? Claro que eu não deixei barato. Eu tava o dia todo sem comer. Sem mentira, o dia todo mesmo. Não fiz café da manhã porque não me deixaram, e em Paris não comemos nada. E ele ainda queria me deixar sem janta? Há! Nunca. Discutimos feio por um bom tempo, e disse que poderia me dar um warning pelo atraso. Eu disse que podia dar, mas que meu intervalo eu ia fazer do mesmo jeito. Haha Enfim, eu tava discutindo muito susse, porque meu dia foi tão perfeito que nada, absolutamente nada ia estragar ele. Enfim, de castigo ele me botou pra trabalhar à noite, de madrugada, na limpeza, e que não ia mais atender aos H. Waiters (que me rende mais 50 dólares por cruzeiro). Pra mim tava susse, porque eu não ia deixar barato não. À noite vocês sabem que eu atendo aos head waiters e ao Maitre D`Hotel, que são as autoridades dos restaurantes. Falei com um deles e ele disse que ia dar um jeito. De noite, durante a janta deles, ele me pediu pra sair da sala pra poder conversar com o Maitre D` sobre meu caso. E conversaram como que 15 min. (ah, mais cedo, antes disso, o Ass. Maitre D` já tinha vindo me brigar pelo ocorrido, porque meu supervisor foi reclamar de mim pra ele, daí levei aquela mijada.). Bem, depois dessa conversa, o Ass. Maitre D` veio me pedir desculpas, porque não tinha ouvido meu lado da história, que compreendia que eu tinha ficado o dia todo sem comer, que tinha feito uma viagem cansativa, e que se reclamei ao meu supervisor era devido ao “stress” de tudo isso (haha não concordo muito, mas ok, foi essa a minha defesa), e disse que foi um erro do supervisor querer me “castigar” colocando na madrugada, e que eu deveria permanecer na staff mess e atendendo aos H. Waiters, porque eles gostam de mim e pediram pra eu continuar. BINGO! “Vingança” feita. O supervisor quis me foder, só que eu também tenho amigos fortes, e me dei super bem nessa. Saí com moral e ficou tudo melhor ainda pra mim. Só o fato do Ass. Maitre D` ter vindo se desculpar, já valeu. E depois ainda os H. Waiters conversaram comigo, elogiaram e tals, disseram que “sou parte do time”, então foi tudo lindo. O supervisor deve ter ficado PUTO, mas problema dele. Agora ele sabe que não pode mais querer foder comigo tão fácil assim. Hahaha =x

Enfim, o post tá longo, mas problema de vocês que querem ler. Garanto que esqueci muita coisa, mas não dá nada. Daqui 4 meses eu conto pra vocês pessoalmente, se eu ainda lembrar desse “sonho” que foi Paris. (só um adendo: Paris é opaca, mas sem cor, toda cinza. Os prédios não tem cor, é tudo igual, tudo antigo, tudo romântico, tudo frio, tudo lindo)

Não tenho fotos ainda, porque ainda não carreguei a bateria da máquina pra poder sacar as fotos. E nem tenho tempo no cartão da internet pra postar elas. E nem vou postar agora, porque tenho que entrar trabalhar em 10 min. Quem sabe de tarde, se eu não sair pra conhecer a Inglaterra.

Ahhhhhhhhhhhhhhhhhh, outra coisa linda de viver foi que na volta de Paris, no rádio do táxi, tocou Edith Piaf, a música tema de A Flor. Quase chorei. Em Paris, ouvindo “A Flor” em sua terra natal, no meio do caos da estrada, com gente desesperada do meu lado, e eu super calmo só curtindo a musiquinha. Putz, surreal demais! Demais!

Queria continuar nessa vibe de ontem pra sempre. Um dos melhores dias da minha vida, sem dúvida. Contando com tudo, desde tudo em Paris, da aventura da estrada, até a briga e a moral da noite. Tudo em conjunto fez o dia ser intenso e rico, e inesquecível.

Obrigado, Princess, por me proporcionar isso.
Obrigado, Deus, por me permitir desfrutar disso.
Obrigado às pouquíssimas pessoas que acreditaram em mim e me ajudaram de alguma forma a estar aqui.

“Eu to na boa, eu to na proa e vou te dar um pé a popa pra acabar com a sua sopa.”

Tiau!
.

UPDATE

Hora Local (Southampton - Inglaterra): 23h57
Hora do Brasil: 19h57

Só pra complementar, hoje, em Southampton/Inglaterra, acabou o cruzeiro. Não tive muitos amigos indo embora, mas vou sentir falta dos uruguaios que embarcaram por somente este cruzeiro. Eram gente boa. E a cidade aqui é bonitinha, só que só fiquei meia hora fora, então não vi muita coisa. As inglesas são bonitinhas, mas meio gordinhas. E os adolescentes tem uma grande tendência ao emo.

Cambiar dinheiro todo dia é foda. No Reino Unido só aceitam pounds, no resto da Europa é Euro, e no resto do mundo dólar. To vendo que to perdendo dinheiro com tanto câmbio assim.

Agora vamos com destino ao Mediterrâneo. Espanha, Mônaco, Itália, aí vou eu!

Ah, é coisa linda de viver ver os franceses conversando. Lá foi o primeiro lugar que paramos onde não se falava inglês. Nos outros, mesmo que não fosse a l;íngua oficial, inglês era falado por todos. Na França não. Coisa difícil demais pedir informação. Haha mas foi legal que pude usar todo o meu francês já no primeiro contato: terminei a “conversa” com um “mercy”.

Thats all, folks!

.

22.4.09

Aqui jaz.

Hora Local (Cobh - Irlanda): 12h10
Hora do Brasil: 20h10

Cobh foi a última cidade que o Titanic atracou. Interessante demais a história. Um navio chamado Lousiana afundou aqui no porto, e morreram cerca de 1200 pessoas. Depois disso, a companhia construiu o Titanic pra substituir o Lousiana, que também afundou depois de partir daqui. Trash demais, né? Dá um certo arrepio andar pelas ruas daqui, olhar pras casas e imaginar que algumas daquelas pessoas que embarcaram poderiam ter morado numa dessas casas que eu vi. A cidade vive do Titanic. Tem museu, loja, restaurante... tudo se referindo ao Titanic.

A cidade é pequena, se parece um pouco com Antonina.

Ontem estivemos em Dublin, também aqui na Irlanda. Coisa linda de cidade. Se parece muito com Curitiba, então me senti muito em casa. A cidade é grande, e bem limpinha como Curitiba, e as pessoas são normais, mas as mulheres são na maioria bem bonitas. Morenas, branquelas e de olhos claros. Umas bem lindas, na verdade. Se parecem muito com o estilo da Dolores. Aliás, pisar na terra da Dolores O’Riordan, pra mim, não tem preço. Me arrepiava só de pensar que ela já poderia ter pisado ali, que ela podia morar ali perto, sei lá. Haha. Mas eles vivem muito mais em função do U2. Tem uma loja especializada neles, e até tirei foto lá. Enfim, pisar na terra de The Cranberries e U2 é impagável. Gostei bastante de Dublin, e também moraria fácil lá.

Cobh não me encantou tanto pela cidade, só pela história do Titanic mesmo. Mas ainda prefiro a Escócia depois dessas 3 paradas européias.

E amanhã? FRANÇA!

Deusmeu, que sonho conhecer a França. Nem acredito. E depois de amanhã é meu day off, também na França, mas em Le Havre, o porto mais próximo de Paris. Mas leva cerca de 2h30 pra chegar em Paris, então não terei tempo. :/

Será que encontro algum Farrrion na França?

Pensei tanta coisa pra escrever, mas agora to sem inspiração.

PS: lembrei de um causo: ontem em Dublin a cada quadra que a gente passava, alguém me cumprimentava. Até que depois de um tempo eu fui obrigado a comentar com os dois colegas que me acompanhavam: - “cara, eu sou muito popular em Dublin”. Hahaha mas tipo, é que os crewmembers todos estavam andando por lá, daí claro que a cada passo a gente esbarrava em um. Ah, e a gente entrou num tradicionalíssimo Irish Pub também.

Tchau.
.

20.4.09

Já posso morrer.

E dizer que conheci a Europa.

Hora Local (Greenock - Escócia): 23h29
Hora do Brasil: 19h29

Um nascer do sol lindo. Há uma neblina diferente, não úmida como essa de Curitiba. E ela permanece por todo tempo, todo o dia. O sol fica vermelho e rebate bonito na água calminha. O mesmo acontece no pôr-so-sol.

Pausa pra lembrar de ontem.

Eu e Victor fizemos muitas merdas pra lembrarmos pro resto de nossas vidas. Não exatamente merdas grandes, mas dessas coisinhas proibidas que se faz, sabe? Por exemplo, subimos do deck 13 ao 14 sem usar elevador ou escadas (não me perguntem como); também encontramos por acaso o campo de mini-golf, e jogamos rapidinho antes que alguém nos encontrasse (e encontraram); e atiramos uma bolinha de golf longe, mas não posso dizer onde. Enfim, são coisas divertidas e proibidas que serão lembradas em outros tempos futuros.

Sabem no Titanic quando o casalzinho lá compete pra ver que cospe mais longe? MENTIRA! Em um navio no meio do oceano isso é impossível. E tenho dito! Impossível o cuspe ir pra frente. Ele vai pro lado ou pra cima, ou volta pra sua cara, e nunca vai pra frente ou pra baixo. Há!

Ontem também vimos um farol em terras Irlandesas. Não sabia que ainda se usavam faróis. E achei lindo! Estava bem longe, mas a luz chegava na gente bem forte. Coisa linda. Nunca tinha visto um farol funcionando de verdade, quanto mais de dentro do mar. Coisa de gente caipira comentar isso, né? Mas eu comento, porque eu sou da roça.

Ai, a Escócia!

Eu moraria facilmente na Escócia. Coisa linda de viver. Casas milenares (centenárias, vai?!), dessas de pedra, sabe? Enormes e lindas. Castelos! Só vi um, na verdade, e era dos pequeninos. Mas em fotos vi vários enormes. A cidade aqui é pacata, e parece que todo mundo é rico. As pessoas usam mesmo aquelas roupas de escocês (interessante, né?). Os uniformes das escolas são nesse estilo escocês mesmo, com as menininhas de saia e tals, bem lindinhas. E as mulheres são bem bonitas, no geral. Cabelos pretos, branquelas e de olhos azuis. E se casam muito cedo, pelo que percebi. Nas ruas o que mais se vê são meninas novinhas carregando seus carrinhos de bebê. Aqui deve ser como na Alemanha que as mães têm 2 anos de licença maternidade. E por isso ficam fazendo nada o dia inteiro, carregando os bebês pra cima e pra baixo. Linda cidade. Encantadora. Não existe nada igual no Brasil, pelo menos que eu tenha visto ou tido conhecimento. E a marca Chevrolet aqui tem outro nome, bem estranho. Então tem na rua uns XBAVyuxbaksjxba Corsa, XBAVyuxbaksjxba Astra. Mas o que mais tem é carrão tipo BMW.

O dia acaba quase 9 da noite. É hemisfério norte bem norte, então anoitece tarde. O frio é suportável, como o frio do inverno em Curitiba (aqui é primavera, né? Juro que não sei ao certo).

O que fode aqui é a moeda. Pound! Cambiei a partir do dólar, que vale 0,6 pra 1. que merda! 31 dólares deu 20 pounds, que é cerca de 75 reais. E dá vontade de comprar tudo! Tudo parece barato. E realmente é, pra eles. Mas quando se converte pro real, dói na alma. Por exemplo, comprei um cachecol e um imã, e dois DVDs (mas nesses dois paguei 1 pound cada, numa loja que era tudo 1 pound, tipo as 1,99 no Brasil), e gastei 10 pounds. Ou seja, 15 dólares, quase 40 reais. Que merda! Tipo, saiu super barato aqui, só que no Brasil é uma fortuna. Essa história de vir morar em navio e não gastar nada não existe. Você sempre gasta, sempre que comprar. Sempre!

Mas o cachecol é lindo. Não é quadriculado estilo escocês. Esse quadriculado, originalzão, custava 25 pounds. Não tive coragem. Haha

Enfim, Greenock na Escócia é linda. Já é um dos meus lugares favoritos do mundo.

É engraçado demais quando abro minha carteira pra comprar as coisas, porque tem dólar, real, agora tem libra, além de dinheiros de umas 3 ou 4 ilhas do Caribe. Já nem sei mais qual é de onde. O foda que no fim das contas vou voltar pro Brasil com todos esses dinheiros sem poder trocar, e perder alguns reais nisso. Mas ok!

Slamat pague! Malagandam maga! (“bom dia”, em indonésio e filipino. To aprendendo! E assim é como se pronuncia, porque não sei como se escreve, ta!?)

;)

.

17.4.09

Ah, se eu fosse marinheiro.

Era eu quem tinha partido.

Hora Local (at sea): 16h29
Hora do Navio: 15h29
Hora do Brasil: 13h29

Sky Walker, deck 17. Um dos lugares mais fodas do navio. Ontem teve festa lá. Coisa linda de viver. Mas o sono chegou, o humor foi embora, e a festa acabou boring pra mim.

Temos sinal de alerta nos próximos dias. Big waves coming! Uhu!

Hoje descobri que nesse lugar que vamos da Escócia foi a última parada do Titanic. Legal, né?

Tem feito frio, chuva e muita onda.

Estamos indo em velocidade máxima: 21,5 knots.

A localização é mais ou menos assim: estamos na mesma direção que Paris (França) à leste, que Montreal (Canadá) à oeste, que a Goenlândia ao norte e pra baixo só tem a Antártida. Tipo assim, bem no meio do oceano, literalmente.

Das últimas 6 vezes que dormi (isso quer dizer, desde ontem), sonhei com o navio todas elas. E, assim, tenho dormido 3 vezes por dia. Isso é horrível de se pensar, mas além de dormir à noite, durmo na minha 1h30 de intervalo de manhã, e as 2h30 do intervalo da tarde. Mas se quero sobreviver, tenho que fazer isso. Se dormir só à noite, durmo só 4h por dia. Juntando com fuso adiantado e festa como a de ontem, acabo não dormindo nada. (é sempre escuridão total na cabine, porque não tem janela nenhuma, e nada que fique com a luz acesa. Quando se apaga a luz, não se vê absolutamente nada mesmo. Pode tá o sol que for lá fora, mas na cabine é sempre meia-noite). Vocês só vêem as coisas bonitinhas nas fotos, do lado de fora. Mas a vida real aqui dentro é foda.

Só faltam mais 3 dias de mar. Tsssss

Cada vez mais eu gosto do Brasil. Vejo sempre que posso o documentário sobre o Brasil na National Geographic, que se repete toda semana. E ontem fiz a cagada de contar pra um casal de dançarinos que aquilo na TV era meu país, porque era bem a parte da Amazônia. Daí foi um parto pra explicar que o Brasil inteiro não era daquele jeito. Mas eles já conheciam Recife, Salvador e Rio. Então aliviou um pouco.

ps: vó, é pra Greenock, perto de Glasgow que estamos indo. Lá que é a terra do he-man que eu disse. =x

ps2: ema, obrigado pelas respostas. E as portas ficam fechadas porque são portas pra evitar que a água se espalhe pelo navio todo, sabe como? Se causa um dano em algum lugar, que entre água, o navio ainda fica a salvo. Coitado de quem vive naquela parte, né? Esses morrem, I'm sorry. (tá, existe como abrir a porta manualmente, e só se pode fazer nesse caso, em caso de salvar a prórpria vida.)
.

13.4.09

Pré-Europa.


Hora Local (Bermudas - Inglaterra): 17h03
Hora do Brasil: 16h03

Hoje à noite o relógio adianta uma hora de novo.

Bermudas é lindona! Pelo menos a parte que conhecemos, que é pequeniníssima. Pra ir do outro lado da ilha (que é enorme), tem que ir de ferry boat. Mas aqui tem muito ar europeu, primeiro porque é uma colônia inglesa, depois porque faz frio e depois porque tem muitos castelos. Não castelos, mas construções antigas de pedra, que um dia foram castelos ou palácios, eu acho. Bonito!

E é o meu primeiro dia de frio a bordo. Interessante.

Cortei o cabelo com o filipino ontem. É basicamente uma tradição cortar cabelo no filipino. Muito melhor que pagar uns 30 dólares no SPA pra fazer isso.

E descobri que Leonardo DiCaprio é dono de uma ilha no Caribe, aos redores de Belize que fica perto do México. Repassem essa notícia importante. Senna ou Xuxa também eram donos de uma ilha, não eram? O que eu sei é que a Princess tem uma ilha, mas nunca fui e não irei nesse contrato.

Uma semana de mar pela frente. Próxima parada: Escócia!

Europe, there I go!

.

12.4.09

de calça.

No Triângulo das Bermudas.

Hora Local (at sea – Triângulo das Bermudas): 15h22
Hora do Brasil: 15h22

Amanhã atracamos em Bahamas, mas esse mar aqui já é do triângulo. Se eu desaparecer é porque a lenda realmente existe. E andei vendo nas notícias que um navio foi atacado por piratas, né? Que medo!

Essa noite adiantamos em 1h o relógio, por isso que estamos no mesmo fuso do Brasil. Mas nos próximos 12 dias, vamos adiantar mais 6 horas. Dia sim, dia não. É 1h a menos de sono a cada 2 dias. Fuck!

Esse cruzeiro vai passar rápido. São apenas 4 paradas, mas muitos dias de mar. Cruzeiro de 29 dias, se não me engano. E um dos lugares parece bem perigoso, porque tem aviso aqui dizendo que todas as portas de emergência estarão fechadas nesse dia, pra prevenir e tals. Não lembro o nome do lugar. A primeira parada da Europa é na terra do He-Man, na Escócia (ou seria Gales? Agora não tenho certeza).

Ah, eu comprei um iPod Touch em Miami. =)
(obs: não basta dizer que comprou um iPod, tem que dizer que comprou em Miami.)
Dói na minha alma até agora, porque ele custou o preço do trabalho de um cruzeiro inteiro. Enfim...não compro mais nem um imã de geladeira agora.

Estranho pensar que hoje é Páscoa.

O navio ta vazio, porque não é de interesse de muitas pessoas fazer um cruzeiro com 4 paradas e muitos dias de mar, sem falar que você embarca num lugar e desembarca em outro. Realmente não é muito atrativo. E isso quer dizer que vou receber uma mixaria esse mês, porque meu salário depende da grana dos passageiros. Meu salário é composto daqueles 10% de serviço no restaurante, sabe? É somado tudo e dividido proporcionalmente a todos que trabalham nos restaurantes todos. Por isso, sempre pague os 10%, viu? Alguém depende dele pra sobreviver.

Atravessar o Atlântico a menos de 20 knots (38 km/h) dá uma certa preguiça.

Daqui uma semana estaremos na França e tem tour até Paris, mas não vou poder ir, porque isso leva o dia inteiro. E como eu trabaaaaaaalho que nem um cavalo...nem vou. =) Não existe chance de eu conhecer Paris, porque leva cerca de 3h a viagem até Paris, desde o porto em Le Havre. Merda! Pra Londres eu ainda não sei, mas acho que é até possível de ir. Vou parar cerca de 12 vezes na Inglaterra. Não é possível que eu não consiga chegar em Londres pelo menos 1 vez.

Dia 1 de maio, em Mônaco, já me fodi. Vou estar de IPM (In Port Meaning) próximo cruzeiro. Isso quer dizer que não posso descer do navio, que sou uma das pessoas que deve ficar para ajudar em casos de emergência. Que meeeeeerda! Bom, existe a esperança de eu trocar meu Laminex com alguém, mas pra isso alguém precisa se propor a não descer lá para que eu possa descer em seu lugar. Que merda mesmo!

Já assisti Across the Universe, 21, Iron Man, Ratatoullie e Transformers mais de 35 vezes, sem sombra de dúvidas.

O Dinis, português do Crew Office, tinha me pedido música brasileira. Dei a ele ontem e hoje era tudo que se ouvia por lá. Fiquei até orgulhoso, porque por lá passa todo mundo, e assim acabam ouvindo nossa música. Hoje apareceu Rodrigo Pessoa na BBC, e outro dia vi o Lula num comercial sobre um congresso mundial de paz. É tudo que tenho visto do Brasil, além da previsão do tempo na CNN que aparece São Paulo e Rio. (BBB já acabou? Alguma novela nova? Fátima e William continuam casados? Verdade que o Rubinho ta indo bem na F1?)

A Thalita vai embora em 1 mês. O Alexandre em 2. Depois disso me torno o brasileiro “mais antigo” aqui. Que triste! Acho que vou morrer sem eles. Já me dói muito não ver a Camila nos cafés da manhã, imagine sem ver os 3. É impressionante como as coisas têm proporções grandes e intensas aqui. Dos chicos que foram embora agora em Miami, 3 eram grandes amigos, em apenas 1 mês convivendo juntos. Miami é cruel. Essa vida é cruel. E pensar em “próximo contrato” é uma coisa tão natural pra todo mundo. Depois de perder tantos amigos, parece que você faz questão de voltar só pra poder reencontrá-los. E, sinceramente, se não for assim, nunca mais você vai vê-los. E a gente se fode tanto no começo que parece que se quer voltar só pra se foder menos depois. E assim vai. Enquanto você não vira Maitre D’Hotel você não sossega. Eu, sinceramente, já botei na cabeça que se não for como staff, não entro nunca mais. Staff tem tempo de fazer tour em Paris. =) E eu não tenho pós graduação em cinema pra trabalhar de garçom. (garçom aqui é uma função respeitadíssima, e ganham muito bem).

Cliquem no link ali do lado pra saber aonde estou exatamente no Triângulo.

Tenho ouvido bastante Jorge Ben (sic) ultimamente. É a cara do Brasil.

Tchau! Aquele abraço pra torcida do coríntia!
Feliz Páscoa, papai noel!
.

10.4.09

Miami

é cruel.

Hora Local (Miami - EUA): 10h30
Hora do Brasil: 11h30

"Forza, Junior! Lo que no te mata te faz más fuerte!" (Leo)

Tchau, Camila. Tchau, Leo. Tchau, Ivan. Tchau, baterista. Tchau, menina do Casino. Tchau, meninas da boutique. Tchau, Filipe.

Tchau, Alejandro! Que Dios te cuide e a su mama también.

Chorar é cada vez mais fácil.
.

9.4.09

Adeus você.

Eu hoje vou pro lado de lá do Atlântico.

Hora Local (Grand Turk): 00h40
Hora do Brasil: 01h20

Chega de Caribe. 3 cruzeiros completados para o portifólio da vida. Só faltam mais 14.
Catorze. Quatorze. Sempre ele. “Que se vaya!”

Agora to na ‘cabina’ das meninas Thalita e Camila, junto com a Maria Regina. Todo mundo no seu laptop trocando fotos, músicas e eteceteras. Camila vai embora amanhã em Miami. Triste.

Estou há muito tempo sem dar notícias. Muitas coisas aconteceram e acontecem nesse tempo. Nem quero contar tudo mesmo. Mas se passaram muitas festas, muitos atrasos no trabalho, muitas pessoas novas, pessoas que se vão. Lugares conhecidos e reconhecidos. Muito bom. E ruim. Riso e choro. Sol e chuva. Hoje choveu em Grand Turk.

A foto é com Thalita e Camila na festa Tropical. Coloco essa aqui só pra ficar me achando e pra vocês pensarem que eu to podendo, assim como todo mundo que estava na festa.

Boa viagem, Camila. =)

UPDATE 1: enquanto escrevo, a Adriana também passa aqui pela ‘cabina’. Basicamente uma reunião brazuca.

UPDATE 2:

Hora Local (at sea): 9h40
Hora do Brasil: 10h20

Em 10 dias chego na Europa. Desses 10, 8 são dias de mar e com fuso horário adiantado. Ou seja, 1h a menos pra dormir em cada um desses dias de mar. As paradas são Miami amanhã e Bahamas daqui 3 dias.

Até já chorei quando me dei conta que dia 1 de maio estarei em Mônaco. 1 de maio, quando se completam 15 anos da morte do Senna. Sem dúvida vai ser um dia inesquecível da minha vida. Até já tenho a champagne em mãos para estourar na linha de chegada ou em qualquer lugar nas ruas de Monte Carlo. Quase não consigo acreditar que isso é verdade.

“É preciso força pra sonhar e perceber que a estrada vai além do que se vê.”

Tchau, Caribe. Obrigado pelas 1335 lindas fotos, pelo melhor pôr-do-sol do mundo, pelo sol ardente, pela água transparente e colorida, pelas ‘palmas de coco’ na areia de pedra e por todo resto que eu não lembro.

Na República Dominicana eu e Victor chegamos à praia. Victor conhecia o caminho, mas pegamos um atalho que eu conhecia até a ponte. Foi engraçado porque ele comentou no final algo como “que maravilha você chegar num lugar 2 semanas depois e saber onde quer ir e saber o caminho”, e então eu disse “mais foda ainda é você dizer que conhece um atalho”. E a gente caiu na risada. Num lugar tão pitoresco, há 5 mil km da sua casa, você conhecer caminhos e atalhos é algo realmente foda. Impossível explicar agora, mas isso pra nós significa muito. “Que mierda”.

Só faltam 4 meses e 1 semana pra eu chegar em casa.

.

2.4.09

adoro.

Hora Local (Grenada): 10h20
Hora do Brasil: 11h20

Eu que vou embora e são vocês que ficam sem dar notícias. valeu! (y)
E eu adoro falar sozinho também. adoro!