24.6.09

Feel like a star.

Data: 19/06/09
Hora Local (Cannes - França): 16h21
Hora do Brasil: 11h21


Tem um comercial muito bom que passa por aqui onde o título é Feel Like a Star. Pra mim esse merece estar em Cannes no próximo ano (se já não estiver neste). Sim, fiiiiiialmente consegui baixar em Cannes. Só vamos parar aqui 3 vezes, e da primeira não consegui sair, em PLENO Festival de Cinema. Mas ok, agora estão nos preparativos pro Festival de publicidade, o famoso Lion of Cannes. Inacreditável que eu esteja vendo tudo isso. Na faculdade o que existia de mais glamuroso era falar do Festival de Cannes, e agora to eu aqui. Apesar de não ter vindo ver o Festival, eu to na cidade onde tudo acontece. E além da publicidade, tem o Festival de Cinema que é um dos mais importantes (pra mim, vale mais do que o Oscar, já que fala do cinema mundial e não do de Hollywood). Enfim, é algo realizador tudo isso. Hoje sou um “publicitário pseudo-cineasta” feliz aqui em Cannes.

Bem, fugi 30 min antes do trabalho pra poder sair, porque era tender, daí demora mais. Se alguém me reportou, eu vou ter problemas mais tarde, mas ainda não sei porque acabei de botar o pé pra dentro do barco e ainda não fui dar as caras no trabalho. Enfim, chegando lá fora fui direto seguindo as plaquinhas para o Palais des Festivals, onde tudo acontece. Vi as várias mãos na calçada da fama, tirei fotos das mais importantes, incluindo a Sharon e o Mickey, sem falar do Chuck Norris e da Whoopi. Não existem mãos novas, se não aposto que teria a da Penélope Cruz. Vou mandar fazer uma pra ela e colocar lá. Bom, daí encontrei com os mexicanos, fomos numas lojas pra comprar souvenirs e putz, comprei muita coisa, apesar de ser tudo caro. Aliás, não comprei muito. Comprei 3 coisas e paguei 24 Euros só numa camiseta. Gastei como que 35 Euros. Dói na alma pensar isso, maaaas como disse o mexicanos: “é pra isso que a gente trabalha”. Ta certo ele, talvez nunca mais na vida eu esteja em Cannes e não podia deixar de comprar uma camiseta do Festival (mesmo que tenha me custado 70 reais. Hahaha) Mas ok, pelo menos já tenho como parecer metido em Curitiba durante o Putz. HAHAHA Tipo assim, “outro nível taligado?”. E só!

Aconteceram outras coisas nesses últimos dias, mas que tipo agora eu não lembro. Maaaaaas, em Barcelona ontem embarcaram dois brasileiros. Um mais velho, de Santos, pro Horizon Court, e uma brasileira lindíssima, de Floripa, pra trabalhar no Bar. Bacana, o time ta crescendo. Ah, por falar em Barcelona, não posso esquecer de dizer que fui pra catedral de La Sagrada Familia. Aqueeeeeela famosona do Gaudi. A princípio, achei ela feia e me decepcionei. Daí então decidi dar a volta nela e percebi que era do outro lado a verdadeira frente dela. Hahahah tipo, os dois lados são frentes, mas tem um lado mais novo e o outro mais velho, que é o que todo mundo conhece por fotos. Enfim, tirei muitas fotos, claro, e fiquei lá um tempão apreciando. Então que não me falta mais nada famoso em Barcelona pra conhecer. To bem feliz com isso, de ter visto tudo que queria lá, nessa cidade famosona e importante. Na próxima parada ali vou pra leste, pra ver o que ac abo encontrando por lá. Numa dessas, ainda vejo outras coisas de Gaudi, que são muitas por aqui.

Ok, claro que esqueci zilhões de coisas pra contar aqui. Não vou enrolar mais.

Já tem fotos novas no orkut. Me faltam as de Cannes e essas últimas de Barcelona.

PS1: amanhã tem Disco, que é festa à fantasia com o tema CINEMA! Eu não vou fantasiado de nada. Provável que vá com a minha camiseta nova de 24 Euros de Cannes, só pra ter a ver com cine! Hehe

PS2: emprestei o violão do english teacher por uns 3 dias e hoje tem noite acústica. Acho que vou tocar uma.

PS3: definitivamente as espanholas são as minhas preferidas. Apesar de as inglesas serem as mais lindas, com cara de modelo todas, as espanholas são mais raras, diferentes, sei lá. A Penélope Cruz representa bem, são todas mais ou menos assim como ela. E aqui na Europa todas fazem top less, em todas as praias eu vi. No Brasil eu nunca vi.

Tiau!


UPDATE


Arriba, abajo, ao centro, adentro!

Data: 21/06/09
Hora do Navio: 13h47
Hora Local (Civitavecchia - Itália): 11h47
Hora do Brasil: 08h47


Festa à fantasia ontem. Muito boa! A galera caprichou e tals. Fiquei o tempo todo com a paisana nova, apesar de mal ter chegado e já estar cheia de amigos. É isso que dá ser bonita, tsc! Mas enfim, ficamos o tempo todo pirando junto com um português que é mais loco ainda e foi bem bacana. E bebemos demasiado, tanto que tive que levar a paisana pra cabina porque ela não estava em condições. Haha eu não tava dos melhores, mas estava bom ainda e não precisava dirigir. Mas acordei meio mal, claro. O português tava muito mal hoje cedo. E a paisana eu ainda não vi e não sei se acordou bem. Mas eu não me atrasei! Uhu! Acordei 6h55 e ainda consegui chegar na hora. haha

A parte do dormir é interessante. Porque dizem que o barco quase virou. Ta, exagerei. Mas dizem que tava demasiado agitado. Eu não senti nada, mas quando acordei minha cama tava mais bagunçada que o normal, com os dois travesseiros jogados longe. Agora não sei se eu me agitei à noite por conta de ter bebido ou se era por conta do barco balançando. Enfim... está chovendo bastante hoje. A primeira chuva de verdade que pego à bordo. A única outra que teve, em Vigo, foi fraquinha. Hoje choveu até granizo! Espero que continue forte quando a gente sair do porto, pro navio balançar de verdade e eu poder ver! =D
Mas a parte interessante do dia de hoje é que o Ruby Princess está atracado aqui também. E de lá eu conheço pessoalmente 3 brasileiros! Não poderia deixar de ir lá. No meu intervalo da manhã, que na verdade é minha aula de inglês, eu fui lá. Se o Ass. Maitre D` descobre (e provavelmente ele vai descobrir) eu posso tomar outro warning. Massss, put a djuz! Fui lá ver os paisanos. Com muito custo, consegui entrar no navio, porque não queriam me deixar. Por sorte, um dos brasileiros é oficial, daí pedi pra chamar ele e tudo se resolveu. Haha O Jan Carlo e a Andréia fizeram a entrevista comigo lá em Curitiba, nos conhecemos lá. E a Isabel veio fazer seu treinamento aqui no Grand Princess. Estão os 3 lá no Ruby agora, com mais uns 13 brasileiros. Muito mais do que aqui, que agora tem 8. Até parece bastante e estranho isso. Só que é cada um de um setor e todo mundo fica separado. Enfim, na verdade não falei com a Andréia, porque com muita falta de consideração ela não quis sair da cabine durante seu break pra me ver. A Isabel ligou pra ela e ela não quis ir. Ok que ela poderia estar cansada e queria dormir, mas eu também estava(ou) e deixei de dormir (porque eu já tinha pensado em faltar aula pra dormir) pra ir lá visitar eles. Mas ok, deixa ela.

É muito ruim ver as pessoas assim rapidinho, porque a gente tem como que 4 meses de conversa pra colocar em dia, e em 30 minutos não dá pra fazer nada. E é loco demais também encontrar as pessoas nuns lugares esdrúxulos. Por exemplo, o Jan que eu conheci em Curitiba e fui reencontrar na Itália. E a Isabel que vi a última vez em Miami e agora reencontrei aqui na Itália. A gente gira gira o mundo e ainda acaba se esbarrando. Acho isso tudo muito loco, divertido e cruel ao mesmo tempo.

Ahhh, a Isabel é a minha versão feminina no Ruby. Tudo que ela reclamou são exatamente as mesmas reclamações minhas aqui. Haha sem falar que ela se atrasa na mesma medida que eu, briga com o supervisor como eu e odeia o Ass. Maitre D` como eu. Ou seja, tem alguma coisa fedorenta nesse reino.

Por falar em reino, só falta mais um cruzeiro antes da gente mudar o itinerário e seguir pra Dinamarca. Uhu! 20 dias.

Bom, nothing else to say.

Tiau!


UPDATE


“O paraíso existe...

Data: 24/06/09
Hora Local (Cadiz - Espanha): 17h00
Hora do Brasil: 12h00

... e é mais de um”.


Eu disse isso pro Pereira (Portugal) e ele respondeu algo assim: - “olha, rapaz... e eu que estava a achar que via o paraíso sozinho”.

Isso foi em Alicante (Espanha). Hoje estamos em Cadiz, que é um outro paraíso. Esse é o meu fôlego.

Adios!

18.6.09

Miami returns.

Data: 13/05/09
Hora Local (Southampton - Inglaterra): 10h22
Hora do Brasil: 06h22

Aquele gostinho amargo de Miami voltou. Hoje foram embora pessoas queridas. Mexicanos, indianos, portugueses e principalmente a paisana Thalita. Não chorei, mas aquela dorzinha chata bateu. Foi-se a Camila em abril, agora a Thalita. As duas queridas que me acolheram aqui, que me ensinaram, que me ajudaram, que me apoiaram, e que agora me deixaram aqui pra andar com as próprias pernas. Próximo cruzeiro se vai o Alexandre, e assim vou me tornar “o brasileiro mais antigo” por aqui. Não me deixa nada feliz isso, porque significa que todos que eu gosto (todos os paisanos) já se foram. Essa coisa de ir embora é cruel. Ver seus amigos irem embora é cruel. Com os paisanos eu mantenho contato, porque o orkut nos facilita a vida muito. Mas com o resto das pessoas do mundo eu nunca mais vou falar. Dificilmente vou encontrar alguém por aí, em outro navio se eu voltar para um, ou sei lá como. E todo mundo tem noção dessa vida de navio, que não adianta tentar manter contato porque a gente não vai conseguir, por isso muitos se vão e nem pegamos e-mail, telefone, nada... porque sabemos que não adianta e que a dor talvez seja ainda maior por tentar e não conseguir manter contato. É melhor deixar passar batido e aceitar que essa vida é cruel, que te coloca e te tira pessoas bacanas, que te faz criar laços em pouco tempo e que te arrebenta o laço num piscar de olhos. As pessoas se vão e deixamos nas mãos do destino se vamos ou não nos encontrar de novo. É cruel.

Ok, agora já consegui chorar. Eu vou sentir saudades da Thalita.

E, kct, to ouvindo músicas aqui e agora toca TM: “tudo que eu criar pra mim vai me abraçar de novo na semana que vem”. Vejo certa relação com o que estou dizendo.

Ai, ouvi também uma gravação de, talvez, 2 anos atrás, que fizemos na casa das primas, comigo, Arnaldo e Luiz tocando piano, e algumas vozes das primas de fundo. Nem lembrava que eu tinha isso, mas tocou aqui sem querer. Putz, que saudade que me deu. Sinto saudade das minhas coisas, da minha vida, dos meus amigos. Eu sei que um dia vou sentir saudade dessa merda aqui também, mas agora o que sinto é raiva. Me sinto preso e agoniado. Agora que penso em ir embora, parece que os dias se demoram uma eternidade. O normal é que eles voem, que os cruzeiros sejam rápidos... mas este último cruzeiro pareceu interminável. E ainda me faltam mais 5. Aliás, eles estão prolongando a maioria dos contratos por mais um cruzeiro, e tenho medo que tenham feito isso com o meu também. Se isso acontecer acho que eu morro só de saber que vou me alongar mais 15 dias aqui. Mas, caso ainda esteja tudo como sempre, tenho só mais 63 dias aqui. Dois meses quase exatos.

Chega de choramingar.

Ontem teve a tradicional “festa de despedida” lá no bar, daí fui lá pra despedir da Thalita, mas acabei ficando mais com a paisana de Curitiba, porque a Thalita tem muitos amigos e precisava dar atenção pra todo mundo. Depois ainda fomos pra cabina de um dos mexicanos pra despedir da Orália (México) que também se foi. Depois ainda fui na crew mess comer e depois disso tudo ainda encontramos com outro mexicano no caminho e paramos pra conversar por mais um tempo. Resultado: fui dormir 4h30 da manhã. Aliás, era 1h back, então isso significa 3h30. Sorte, porque se não eu não ia acordar 6h30 nunca.

Não sei o que vai acontecer comigo neste cruzeiro, mas ACHO que vão me mudar de lugar. Vamos ver. Preciso de alguma coisa nova pra suportar tudo isso.

Eu tinha coisas pra contar, mas não lembro agora. Quero fazer um post sobre “tudo que eu nunca contei”, porque sempre lembro de coisas desse tipo. Só que acho que quando eu for escrever o post, eu vou esquecer de novo.

To tentando ler um livro em inglês, mas é foda que sempre to cansado e acabo dormindo no meio da leitura. Mas tem sido bom pra treinar a fluência na leitura e aprender palavras novas. E o livro é interessante, porque é a aventura real de uma mulher que viajou por todo EUA em um pequeno avião, sozinha. E é legal fazer um balanço entre a aventura dela e a minha aqui no navio.

Ontem assisti um filme (o primeiro que consigo aqui) em espanhol, sem legendas, claro, e entendi 99% dos diálogos. Fiquei feliz. Pra alguma coisa tem servido viver aqui.

Ah, não falei que desci finalmente em Gibraltar. Por uma hora, mas saí. Gibraltar é interessante por suas histórias de guerra e tals. É a entrada do Mediterrâneo, e hoje pertence à Inglaterra, apesar de parecer território espanhol. E dali se pode ver a África. Eu vi e fiquei feliz. É um pedaço de Marrocos que se pode ver. E é realmente perto, bem poucos km. E Gibraltar é o único lugar da Europa onde há macacos, sabiam? Eu não sabia. Claro, tirei fotos dos macacos que havia num jardim botânico bem bonito. Nothing else.

Tenho aprendido bastante de história e geografia com essas viagens todas.

Bom, work time. Tiau!

7.6.09

“I hate this job...

… I wanna go home.”

Data: 07/05/09
Hora Local (Nápoles - Itália): 12h17
Hora do Brasil: 07h17


Senta que o papo é longo.

Minha empolgação pra escrever as dezenas de coisas boas se acabou hoje, mas eu vou falar assim mesmo pra não passar em branco.

Em Málaga foi bacana, andei a cidade toda de bike e fazia calor, então a praia estava interessante também, porque a cada 3 mulheres, 1 fazia top less. E como eu já nem gosto das espanholas, a praia tava chaaata. Ah, e eu já ia esquecendo, mas finalmente entrei no “Museo Picasso Málaga”, e fiquei meio espantado de ver obras do Picasso assim, de pertinho. Nunca na minha vida eu esperei tal coisa, e ver coisas do mestre assim, com seus próprios olhos, a olho nu, foi meio arrepiante. Coisas do tipo rascunhos, sabe? Coisa linda. E esculturas dele também, que eu nem sabia que ele fazia. Mas fazia e fazia bem, coisas de ferro lindas! E, por fim, encontrei a casa que ele morou. Assim, não sei onde ele nasceu, mas sei que não viveu em Málaga por muito tempo, e depois de famoso morou muito tempo em Paris. Mas, todavia, no entanto, por suposto, conheci a casa que é conhecida como a “casa dos pais do Picasso”. Putz, arrepiante de novo. E ele morreu em 1975, né? Nem faz tanto tempo assim, e eu nem sabia disso. Enfim, eu tinha mais pra falar de Málaga, mas já chega então.

Cartagena foi o de sempre, sem grandes novidades. Cidade bonita, mas sem nada muito interessante.

Em Barcelona foi alucinante. Tive day off, finalmente. Fui cedo com o Victor (Peru) ao estádio do Barcelona. Longe pra kct, mas eu sabia o caminho (cof cof, é lindo isso de ‘saber o caminho’) e fomos correndo de bike e chegamos mortos de cansados. Bom, pra entrar pagamos 17 euros. Eu paguei sem pensar, porque se pensasse demais eu não ia pagar. Mas vale a pena, porque o estádio é um ponto turístico e ta cheio de gente todo tempo. Assim, plena quarta-feira e entupido de gente. E tem muitas coisas pra ver lá, como o campo em si, um vídeo em 3-D, cabine de imprensa, vestiários, cabines de transmissão, loja oficial e o melhor de tudo que é o museu. E no campo estava sendo montado um palco para o show nada mais, nada menos do que U2! Então, tiramos muitas fotos. E nesse dia eu tinha futebol com a galera do navio, então saí correndo do estádio (irônico isso de sair correndo do estádio pra jogar futebol; mas quem dera que o jogo fosse no estádio do Barcelona) e voei até o navio, chegando mais cansado ainda (o Victor ficou lá no museu). Enfim, encontrei com o povo, fomos pro jogo. Jogamos, empatamos, deu briga no final e chegamos tarde no navio e quase ficamos em Barcelona e eu me cansei um monte. Estava esgotado mesmo, de verdade. Mas sabe de uma coisa? Foi muito foda tudo isso. E vendo no mapa, já conheço metade de Barcelona, somente em duas estadas aqui. Isso me deixa feliz. Já conheço o centro, sul e oeste. Me falta só mais ao norte e a leste, que na próxima parada já vou dar um jeito de conhecer. A cidade nem é tão grande assim, deve ter o tamanho de Curitiba. Ah, e o estádio deve ficar como que uns 10km do porto. Ou seja, andei 20km de bike, mais futebol, mais trabalho... puff!

Em Mônaco foi lindo também, porque dei várias voltas no circuito, de bike, e dessa vez na direção certa. Fiz uma volta correndo na bike pra marcar tempo, só que tem trânsito, turistas pra kct, principalmente na frente do cassino, e várias outras coisas pra atrapalhar, sem falar no meu dia anterior cansativo. Mas mesmo assim consegui fazer em 07:20’850. Pra mim isso é um puta tempo bom. Sem todas essas variáveis, acho que eu conseguiria fazer em 5 minutos ou menos. Se um carro de F1 faz em 01:20 até que eu to bem, né? Enfim, depois disso ainda achamos praia em Mônaco. Não é a coisa mais linda do mundo, mas a água é transparente e as mulheres fazem top less. Ui! Well, foi um dia cansativo também.

Em Civitavecchia só andei de bike com o Pereira (Portugal) e tiramos umas fotos boas, mas nada demais sobre a cidade também. É feia e suja.

Hoje estamos em Nápoles, e é aí que começa o problema. Eu teria day off hoje de novo. Todo mundo tem tido mais de 1 day off nesse cruzeiro e alguns tiveram 3. Eu teria meu segundo, mas cheguei 5 minutos atrasado. Já era dito em reunião que atrasos significavam perder o day off. Eu já sabia disso, mas eu acho 5 minutos algo muito filhodaputa pra te tirar algo tão importante. Não existe tolerância. Um minuto de atraso já me seria suficiente pra perder meu vergonhoso day off. Só que o que mais me deixa puto em tudo isso é que o vagabundo idiota fdp do supervisor tava na escada me esperando. Era o gostinho que faltava pra ele, de me tirar o day off por conta do meu atraso. Ele saboreou essa com muito gosto. Eu tava chegando e tava ele lá, já me esperando, olhando pro relógio. Só me disse “você sabe o que acontece, né?”, eu só fiz que sim e segui meu rumo. Ele me fez assinar o livro de atrasos, como de costume já, e disse o que eu já sabia, que eu não teria day off. Eu nem respondi nada, não abri a boca pra nada. Ele conseguiu o que queria. E como ele não se contenta, ele deu o MEU day off pro Victor, que já havia tido 2 neste cruzeiro. E, pra piorar, o Victor se atrasou esses dias atrás, porque o idiota foi dormir durante seus 30 minutos de break e não acordou até que eu ligasse na sua cabine. Se atrasou 20 min, assinou o caderno de atrasos, mas no dia seguinte ganhou day off. Depois no outro dia mais um. E hoje ele ganhou o meu de presente. Então, putaqueopariu, por que só comigo isso? Já não bastava o idiota tirar meu day off, ele teve que dar pro meu melhor amigo aqui só pra me ofender de verdade, porque ele sabe que eu implico com o Victor que ele tem o melhor horário, que tem um break de 6 horas todos os dias e que nem precisa de day off nunca. Eu, com day off, tenho 7 horas livres. Ele tem 6 todos os dias e com day off tem 9. Então, porra! Tenho razão de ficar puto ou não? E eu não tenho reclamado de nada mais. Vejo gente fazendo cagada e nem digo nada. Vejo gente que chega tarde, gente que sai mais cedo, e finjo que não vi. Mas quando eu me atraso 5 minutos ta lá o fdp me esperando pra me foder.

Outro dia me disse que vai me passar pra staff mess no próximo cruzeiro. Só pra implicar, eu disse que tava gostando de trabalhar na crew mess e que nem queria. Claro, de raiva ele vai me mudar, porque ele não pode me deixar fazer o que eu gosto, ele tem que me deixar num lugar onde eu seja infeliz. Mas sinceramente eu prefiro continuar na filipino [crew] mess, porque o idiota fala como se estivesse me fazendo uma gentileza de me mudar, pra parecer bonzinho. Mas no meu primeiro atraso ele vai me voltar pra crew mess de castigo, só pra ter o gostinho de foder comigo mais uma vez. Então, sendo assim, já prefiro continuar ali mesmo nessa merda, que daí ninguém fica com cara de bonzinho.

Meu, ele é muito ignorante. Eu tenho raiva disso, porque eu odeio gente ignorante. Mas é o tipo de pessoa que nunca estudou na vida. Que virou garçom no México porque não sabia fazer nada até cair de gaiato num navio. E depois de 17 anos trabalhando nisso virou supervisor. Então a pessoa é burra mesmo. Uma vida inteira sendo garçom o cara fica burro mesmo. Aliás, nunca chega a ser inteligente. Se eu continuar nessa vida, é o mesmo caminho que eu sigo. É por isso que não quero continuar. Tenho me sentido mais burro. De que adianta uma vida inteira estudando pra chegar aqui e virar garçom? Nem quero, muito obrigado. Por isso que hoje fui falar com o P&T Manager, o cara que comanda as funções e tals. Pedi pra me mudar de setor, mas a política da empresa é filhadaputa e te obriga a finalizar um contrato primeiro, pra que você prove que pode viver em navio e, aí então, eles te mudam se você tiver currículo pra isso. Ou seja, não posso mudar. Então falei que queria ir embora. Isso significa que eu vou precisar pagar o meu vôo. Enfim, eu não posso pagar. É caro e não tenho essa grana. O que fazer? Vou ficar aqui mais 2 meses infeliz nessa merda de trabalho só porque sou incapaz de pagar minha passagem de volta pra casa. Mais dois meses “me aburrando”, mais dois meses tendo que olhar pra cara desse mexicano e tendo que aturar a burrice dele.

Essa de se sentir impotente é uma merda. Essa de “eu quero, mas não posso” é a pior coisa que existe. Essa de conhecer o mundo é a única coisa boa que existe aqui e é por isso que eu vim e por isso que ainda tenho um suspiro pra continuar aqui, mas o preço que se paga por isso é caro demais, é um trabalho escravo. No nosso contrato diz que devemos trabalhar 13 horas por dia, mas na realidade a gente trabalha 11. Eles fazem isso pra parecerem bonzinhos, como se estivessem fazendo um favor e, assim, poder foder com a gente como querem, jogar na cara que o contrato diz 13h por dia, sem dia de folga. Então se te mandam trabalhar mais num dia, você não pode discutir. Ser te tiram o dia de folga, você não pode abrir a boca. Como diz o outro filhodaputa assistant Maitre D’, “se você trabalha só 11h, se você tem day off, se você tem break pra comer, é porque a gente deixa você ter” e em troca eles podem te explorar como quiserem. Cruzeiro passado ninguém teve day off. E quem é que pode discutir? Tem gente tendo 3 day off, tem gente que fica sem day off, como eu que sempre fico. E aí, que que eu posso fazer? Reclamar que também mereço porque trabalho bem? Nada, o idiota vai dizer “ele merece porque não se atrasa”. Meu, você pode ser o melhor funcionário do mundo, o mais rápido, o mais esperto, mas se chega 1 minuto atrasado você passa a ser irresponsável e perde todos os “favores” que te fazem, porque não dá nem pra chamar de “direitos”, porque isso a gente não tem aqui. Temos só deveres, mas direitos não temos nenhum. E a raiva é muito grande, porque eu sei que trabalho bem e vejo o tanto de gente anta trabalhando aí, que não abre a boca pra nada, se dando bem. Ou puxa-saco, porque isso também tem de monte. É esse tipo de gente que eles gostam, que não abra a boca pra nada, que trabalhe igual um cavalo sem olhar pros lados. E, sinceramente, eu não sou assim, muito menos puxa-saco, e esse trabalho não é pra mim apesar de eu saber que faço essa merda bem. E a outra raiva que me dá é que o desgraçado sabe que eu sou bom. Sem mentira, eu sou o único que sabe trabalhar nas 3 mess (crew, staff e officer’s). Ele fala de me mandar pra staff mess porque aquilo lá ta uma merda ultimamente e sabe que eu posso dar jeito. To agora na crew mess porque o idiota gosta de me ver sofrer, mas já trabalhei 2 meses direto na staff e eu era bom lá, sem falar que fiz também mais de 2 meses o serviço dos head waiters na officer’s mess e fazia muito bem, tanto é que eles gostavam de mim e não queriam que eu saísse, e agora eu trabalho à noite na officer’s também pra cobrir o guri que entrou no meu lugar no serviço dos head waiters (isso é outra idiotice grande, porque o burro me tirou disso com a desculpa de que precisava de mim na crew mess, só que agora me bota no lugar do guri porque falta gente na officer’s. Ou seja, era muito mais fácil ficar como estava, só que ele mudou pra me foder de novo). Fora isso, eu fui 2 dias já pra trabalhar no dinning, que é restaurante de passageiros, bem xiques, em dias de muito movimento. O idiota me mandou lá porque sabia que eu era bom e capaz de fazer isso. Ele não teria mandado alguém ruim. E eu sou o único assistant buffet steward que já fez isso, de trabalhar no dinning. Então, não dá pra dizer que eu sou ruim. No entanto, “a política da empresa” diz que você não pode se atrasar, e por esse motivo eu só me fodo. A culpa é minha? Claro que é, eu sou mesmo um irresponsável com horários, mas eu acredito que existem maneiras muito mais produtivas de manejar isso. Pensa comigo: se o cara se atrasa é porque ta cansado, certo? Ninguém se atrasa porque adora se atrasar, ou porque decide “ah, hoje eu vou me atrasar 12 minutos”. E se a pessoa ta cansada, você vai lá e tira a hora de descanso dela e faz trabalhar mais pra cansar mais? Ta certo isso? Pra mim isso é uma burrice muito grande.

Enfim, já chorei demais. Vocês provavelmente não vão me achar com a razão. Mas que se foda também, não to tentando parecer santo.

Me faltam 68 dias pra ir pra casa.

PS: o post já tava pronto à tarde, e agora à noite que recebemos a escala pra amanhã sabe qual é a novidade? O Victor terá day off, simplesmente o quarto no mesmo cruzeiro, na mesma semana. Bacana, né? Fico bem feliz com a consideração.

Tiau.
.