28.1.10

.appraisal

"Marco is a pleasure to work with, he as picked up on his position extremely quickly and is improving in his skills every day. His work ethic is very high and he's becoming a dependable member in broadcast. The skills he has brought to the team has been at a high quality and I think he will do well at the end of his contract."

Nota-se uma grande diferença (opostos extremos) das minhas avaliações do último contrato e desse.

18.1.10

.é só um PS

Data: 18/01/10
Hora Local (Nassau - Bahamas): 01h33
Hora do Brasil: 04h33


- tô na parte II d’O Poderoso Chefão, mas 3 horas de filme cansam bastante e eu acabo dormindo.

- cruzeiros de 3 dias cansam mais do que de 4 dias. De 3 dias trabalho pouco, e o tempo livre cansa mais e demora a passar. Os de 4 são bastante ocupados e passam voando.

- tá faltando emoção nesse navio. Nada acontece, ninguém novo pra trazer movimento pra nossa vida. Sinto falta da Helencoptero (era o nome de guerra da Helen no Adventure Ocean, haha). Era a única pessoa que eu tinha intimidade pra ligar no meio da noite pra falar nada, pra perguntar “o que você tá fazendo?” e ela dizer “let’s drink something”. Pros brasileiros dá medo e dó de ligar, porque todo mundo trabalha bagarai e posso acabar acordando alguém. O sono aqui é sagrado (pelo menos deveria) e eu respeito.

- faltam só 5 meses.
.

.todo poderoso

Data: 14/01/10
Hora Local (Key West - USA): 00h40
Hora do Brasil: 03h40


Tem dias que a gente se sente bem. Mas no mesmo dia tu pode se sentir péssimo pelo mesmo motivo que te deixou bem. Bom, eu ainda estou na parte de me sentir bem. Mas o Ricardo (Brasil) não teve a mesma sorte. Espero continuar como estou.

Ontem foi aniversário da Helen (Canadá) e teve festa na casa de máquinas com a máfia filipina, no melhor estilo undergroung (literalmente, porque é no deck 0). Mas nem fui, só fiquei sabendo, porque depois ela apareceu lá no back deck pra gente beber uma cerveja e comemorar. Comemorar e despedir, porque ela vai embora dentro de poucas horas. Vou sentir saudades, porque ela foi uma boa companhia nos últimos dias.

Finalmente saí em CocoCay, que é a nossa ilha particular. Fazia frio, mas menos que o normal. Ilha lindinha, parece de boneca, tudo colorido, arrumadinho e pequeno. Um mini-paraíso, sem dúvidas. Preciso voltar lá pra aproveitar mais as coisas. Dessa vez só fiz snorkel com meu próprio equipamento (ui, até parece que é muita coisa) e tirei fotos. Eu tenho sorte, porque metade do navio tem que trabalhar lá quando atracamos, mas eu sou um dos poucos que não.

Hoje saí com Ricardo em Key West, mas foi engraçado porque nosso clima estava total oposto. Eu animado e ele puto com tudo. Haha e comemos fora, no Sloppy Joe’s, super tradicional por aqui. Pra minha alegria, vi no menu “buffalo chiken” e pensei “háá! agora eu sei o que é isso”, e pedi sabendo o que esperar da comida. Haha

Achamos uma loja de coisas usadas. Tinha de tudo. Comprei a trilogia “The Godfather”, vulgo “O Poderoso Chefão”. Paguei U$25. No Brasil tá R$100. Tudo bem que é usado, mas o que importa é o conteúdo, não a capa.

Estrangularam uma mulher no navio da MSC no Brasil. Bacana, né? Não estamos com fama boa no mundo marítimo. Nem o crew é feliz ganhando pouco no Brasil (brasileiro não dá gorjeta, e a maioria vive de gorjeta aqui), nem a companhia é feliz sendo obrigada a contratar 30% de brasileiros em cada navio, e ter que aturar a moleza desse povo que embarca nessa vida pra se divertir, chega atrasado no navio e só fala português. O resultado disso é ter o Brasil no topo das demissões nos navios. Legal pra nós, continuem assim, pessoal!

Não sei what’s going on tonight, vou lá no bar conferir.

Bye!

12.1.10

.miami, bitch

Data: 11/01/10
Hora Local (Nassau - Bahamas): 21h49
Hora do Brasil: 00h49

Fui pra Miami Beach com gente do mundo inteiro. Colômbia, Canadá, Suiça e Austrália. Um mix bacana pra ir conhecer a praia dos famosos. Devidas proporções, é como o calçadão de Copacabana/Ipanema. Comemos por ali. Caro, claro. Mas de vez em quando é bom se sentir rico, porque ser pobre todo dia não dá.

A canadense se tornou minha amiga, mas pena que ela vai embora em 3 dias. Hoje foi embora o Thiago, um brasileiro que não aguentou o tranco e pediu pra sair, com apenas 3 semanas. O Hans e a Lima vão embora logo também, dois brasileiros dos bons. Pessoas legais têm ido embora e nenhuma tá chegando. Que droga!

Fomos no Bambu de novo essa semana. Mas nada demais. Além da companhia dos mesmos amigos de Miami Beach, não interagi com mais ninguém. Aliás, só voltei embora com duas das meninas mais lindas do navio (USA e UK), dançarinas, trêbadas, que não sabiam o caminho de casa. Pena que eram 3 da manhã, sem nenhuma alma-viva na rua pra testemunhar meu feito. Quando eu conto pra alguém, ninguém acredita. Nem vocês. Elas (e todo cast) também vão embora daqui uns dias.

Espero que o cast novo seja bacana como o atual. Meus melhores amigos são eles.

Muita gente vai embora por causa do Dry Dock, que vai de 1 a 9 de fevereiro. Ficaremos atracados em Freeport, que é outra ilha das Bahamas. Provavelmente fará frio, porque é mais ao norte. Quem fica, trabalha bastante pra organizar todas as mudanças. Mas esse navio precisava mesmo participar do Lata Velha. Vou escrever uma carta pro Caldeirão.

Apesar de todas as coisas ruins e velhas que têm nesse navio, eu acho que tive sorte de cair nele. Itinerário péssimo, mas minha vida é boa. Tenho tempo sobrando, posso dormir bastante. Realmente eu aprendi a fazer meu trabalho e já domino tudo que me diz respeito. Ainda tem coisa pra aprender, claro, mas são coisas além das que competem a mim especificamente.

Eu tenho um projetor na minha cabine agora. Cinema em casa, há!

Tiau.

6.1.10

.let’s go

Data: 06/01/10
Hora Local (At Sea): 21h11
Hora do Brasil: 00h11

Tudo que eu queria agora era um violão pra tocar CPM22. Eu sei, é trash. Mas quando eu tinha 15 anos (kct, quanto tempo!) e uma banda hardcore isso era legal. Mas “por quantas vezes procurei tentar achar onde eu errei” é uma frase que faz total sentido agora.

Bom, não quero enfatizar coisa chata. Mas como a coisa chata fez parte do meu primeiro dia do ano, seria justo fazer parte do primeiro post do ano aqui também.

A parte mais legal da festa do Ano Novo foi estourar champagne 380 graus, e quase apanhar de caribeño que não sabe fazer festa. Haha mas como diz o ditado: “tá na festa de virada de ano é pra se molhar”. (ok, esse ditado não existe)

Mas foi legal também ficar na festa de passageiros. Apesar de ninguém se vestir de branco (será que só no Brasil é tradição?) e não ter fogos de artifício (americano solta fogos no Ano Novo?), foi uma virada de ano bacana, e super diferente. Fiquei conversando com brasileiros passageiros, mas lá pelas tantas fui pra festa de crew pra quase sair de lá apanhando. Mas dei muuuita risada da situação, assim como todos os brasileiros que estavam lá comigo.

De lá pra cá, tem me sobrado muito tempo (sim, as coisas melhoraram bastante desde os primeiros posts). Tô agoniado até. Mas decidi escrever um roteiro. Tô forçando a cuca pra fechar algumas idéias. Idéias tenho muitas, mas nada concreto. Preciso achar uma lógica pra tudo, pra depois quebrar toda ela e logicamente fazer um filme sem lógica nenhuma. É assim que as coisas funcionam.

Por falar em cuca, o CUCO vai voltar. Já estamos mexendo os pauzinhos pra botar ele no ar, com carinha nova, contatos novos, pra chegar chegando. Ainda demora, porque só vai acontecer quando eu chegar em casa. Mas isso tem me animado e eu queria agora estar em casa pra correr atrás de coisas pra ele. Pelo menos agora meus recifenhos (que horror essa palavra) prediletos vão me ajudar. Tô com zil idéias. Sim, “zil” - inventei agora.

Quero voltar embora mesmo (pra colocar coisas em prática), mas tenho consciência que pra fazer o que eu quero preciso da grana que eu ainda tenho pra ganhar aqui. Mas tô ansioso.

Só sei que... se nada der errado, tudo vai dar certo.

See ya!