30.5.09

23-B.

Data: 29/05/09
Hora Local (Brest - França): 01h00
Hora do Brasil: 20h00


Eu lembrei, mas já esqueci de novo o que tinha pra contar aqui.

Enfim, hoje conheci direito a brasileira que embarcou no início desse cruzeiro. (amanhã o cruzeiro já termina e eu ainda não conhecia ela). Ela é gente boa, só que o mais legal de tudo é que ela é de... CURITIBA! :D geeeeente, que delícia poder conversar com ela sobre Curitiba, coisas do tipo “onde você mora?” daí ela explicar e eu saber direitinho onde é. Tipo, a gente ta há milhares de km de casa, e a nossa casa é perto, a nossa ‘cultura’ vem do mesmo lugar, os nossos costumes, etc... e a gente se esbarra aqui no fim do mundo. Acho que ainda vou conversar muito com ela sobre as ‘nossas coisas curitibócas’. E ela é mais velha, tipo uns 33 anos (eu chuto).

Falando em ânus, dia 27 passou todo apagado. Ninguém sabia que era meu aniversário. Aliás, a Maria Regina lembrou, bem de noite, daí a notícia já se espalhou e a galera me deu parabéns. Mas, no mais, não teve diferença nenhuma de qualquer outro dia: trabalhei igual camelo do mesmo jeito de sempre. Mas assim, meio na pressa, a gente organizou uma festinha. Levamos minhas caixas de som pro bar e bailamos umas coisas brasileiras e mexicanas, mas tinha pouca gente, como que uns 10. Mas foi legal mesmo assim. Antes disso, o Victor (Peru), Omélia (Peru) e Aldo (México) foram me esperar no final do expediente pra me dar parabéns e tals, mas me enganaram. Na real, prepararam uma surpresa. Conseguiram um cheese cake, que parece um pedaço de bolo, e cantaram parabéns pra mim na pantry, todos escondidos, claro, porque não se pode ir lá sem uniforme (como eles estavam) e muito menos se pode comer. Enfim, eu tava todo feliz com o ato deles de ir ‘me saludar’ e tals, até que o desgraçado do Aldo me deu uma cheesecakezada na cara. Aiii que raiva! Haudshaudshu queria matar ele, mas não matei, só porque eles tiveram um trabalho imenso pra conseguir organizar tudo isso. Ta tudo devidamente fotografado e filmado com a cam do Victor.

Do aniversário é isso. E das cidades que visitei ontem e hoje não se tem muito o que falar. Tipo, La Rochelle é bem antiga e bonita. E me perdi lá. 10 min antes de sair o último ônibus pro navio eu não sabia onde eu tava, e comecei a correr pra encontrar ruas conhecidas e não achava. Pedia informação em inglês e claro que ninguém entendia. Até que achei um mapa, decorei o nome de uma rua que me levaria mais ou menos perto do ponto do ônibus e saí perguntando com meu sotaque farrrrionêis o nome da rua: - “Rue du Port?”. Até que me achei e tals. Entrei no ônibus faltando 2 min pra sair. Ufa! (há, procurem no google maps pra vocês verem por onde passei/me perdi). E comprei... putz!, não posso falar... mas comprei um presente lindo pra mim mesmo.

E Brest, hoje, foi bem corrido, porque saí com pouquíssimo tempo. Vi tudo correndo. Mas achei a cidade linda. Bem novinha, moderna (dizem que ela foi completamente destruída durante a Segunda Guerra). Eu gostei daqui e posso dizer que voltaria aqui pra conhecer melhor em outro tempo. É que na verdaaaade, me pareceu uma cidade bem voltada pro cinema. Tipo, vi um cinema de rua, coisa que não se vê mais tão fácil assim. E cruzei (e entrei, mesmo estando atrasado) com a Cinemateca da cidade. Coisa linda de viver! Eu não tinha mais tempo, mas mesmo assim entrei lá. Tinha uma velharia, como projetores antigões, um deles fabricado há quase 100 anos atrás. Ou seja, no comecinho da história do cinema. E o mais lindo de tudo eram os rolos de películas. Tudo ali, nas prateleiras. Peguei nas mãos um rolo de 8mm com vários curtas, de algum diretor não-famoso, provavelmente da própria cidade. E também um outro rolo de 12mm, que eu nunca tinha conhecido, também com um curta. Deu uma vontaaaaade de enfiar no bolso e levar embora, mas eu ia me sentir culpado pro resto da vida de roubar a memória de algum lugar. Eu sei, é feio roubar, mas porra!, pra mim isso é uma preciosidade. Na verdade, por eu achar tão precioso é que eu deixei lá onde estava. Enfim, doeu demais não ter mais tempo pra desfrutar de tudo isso.

No mais, eu to cansado demais. Nas últimas duas noites eu dormi 3 e 4 horas. Pra quem trabalha 12 horas por dia, de domingo à domingo, acho que isso é pouco. E agora no lugar de dormir eu to aqui escrevendo. Aliás, uma das coisas que eu queria contar é que já mudamos os relógios 7 vezes só neste mês. Têm noção? No Brasil a gente muda duas vezes no ano, uma pra trás e uma pra frente. Aqui já mudamos 7 num mês. Pelamordedeus! Isso mata o organismo da gente. Um dia se dorme uma hora a mais (como hoje), mas 1 dia depois já terá uma hora a menos pra dormir. Quem tem pouco tempo pra dormir, como eu, se fode muito. O meu dia de aniversário, por exemplo, teve 23 horas.

Lembrei o que queria contar. Sabe que horas anoitece aqui? 22h! Juro! 22h04 o sol termina de se pôr. E tem sido lindo o pôr-do-sol todos os dias. E estranho demais ver 22h00 no relógio e ainda o sol lá fora. Como ele se põe essa hora, é quase 23h e ainda ta clarinho. Muito estranho, muito raro, muito diferente.

Ontem eu e Victor estávamos vendo as nossas fotos do Caribe e deu uma saudaaade de lá. Praia, sol, bicicleta, calor, piscina... ô vida boa, lá a gente era feliz de verdade. Mas agora...

...eu quero ir embora. Alguma coisa precisa acontecer aqui pra que eu tenha força de continuar. Se continuar do jeito que está eu não agüento ficar não. Tenho mais 10 semanas de vida aqui, são 5 cruzeiros. Alguma coisa precisa acontecer. Aliás, já está acontecendo. Eu tenho me atrasado muitas vezes. E cada vez firmo uma porra do livro de atraso. Cada 3 vezes, é um warning. E eu já assinei um warning (já contei isso? Acho que não, mas firmei um warning porque o FDP do Ass. Maitre D’ quis me dar por puro luxo, por uma reunião que eu não fui porque simplesmente não fui avisado), e com 3 warning: CASA! E eu to perto de ir pra casa dessa forma. E não sou o único cansado. Todo mundo aqui se esgota uma hora, e tira força de onde não tem pra continuar. Tudo isso que eu reclamo é a mesma reclamação de 90% das pessoas do barco. Aliás, 90% do crew (os pedreiros), porque staff e officer não têm do que reclamar não.

Antes de chegar meu novo inquilino, eu dormia em cima. E no teto está(va) escrito: I hate this job, I wanna go home. E eu pensava: “quem foi o idiota que escreveu isso?”. Mas hoje eu sou um idiota capaz de pensar isso também, e entendo a angústia do pobre coitado que escreveu isso.

Enfim, vou dormir.

Tiau, I have to go now, I have to go no-ow, tia-au!

UPDATE

Barça.

Data: 31/05/09
Hora Local (Southampton - Inglaterra): 01h00
Hora do Brasil: 20h00


Ah, vou jogar futebol em Barcelona. Já estou devidamente inscrito. Que medo! Eu previ isso. Lembram que eu comentei em algum post anterior que seria lindo jogar futebol em Barcelona? Então, se tornou possível. Pior! Eu comprei em Pisa uma camisa (pirata) do Barcelona, número 10 do Messi. E não é que o Barcelona foi campeão da copa da UEFA essa semana com um gol do Messi? Medo, muito medo!

Hoje finalmente pude andar em Southampton com calma. Saí e andei pela cidade. A rua principal do comércio parece com a Rua XV de Curitiba. Tem uma loja de CDs, DVDs linda e não-cara. Queria comprar umas coisas, até o DVD de Cidade de Deus que eu achei ali e custava só 3 pounds, mas eu não tinha pounds. Tenho dólares e euros, e sempre esqueço de cambiar dinheiro quando chego aqui. É uma merda isso de cada lugar usar um dinheiro. A gente PRECISA dos 3, porque aqui se usa pounds, no navio dólares e no resto da Europa os euros. Não é nenhum luxo ter todos esses dinheiros na carteira. Sem falar nos Reais que ainda me sobraram do Brasil, minha carteira ta uma zona com esse monde de dinheiros diferentes. As moedas do Caribe eu já guardei de lembrança.

Ah, as mulheres da Inglaterra são as mais lindas do mundo, e tenho dito! Lindas e elegantes. Uma dessas que eu quero.

Tiau!
.