2.8.09

Medida de tempo.

Data: 30/07/09
Hora Local (at sea): 16h21
Hora do Brasil: 11h21

Já contei aqui que a medida de tempo aqui é bem diferente do que em terra firme. E o meu tempo agora pra ir pra casa é “1 cruzeiro” ou “1 drill”. Na linguagem da terra firme, dá pra dizer que me faltam 16 dias. Que maravilha, né?

O cruzeiro já chega no fim. Mais um dia de mar e a gente chega na Inglaterra. Aí começa tudo de novo, pela última vez para mim. Nostalgia? Demais.

Tenho curtido muito estes últimos momentos aqui. Tenho trabalhado feliz. Juro que não sei como consigo, mas tenho feito isso. To trabalhando bem demais, que até me impressiono. Se meu contrato todo fosse assim, teria sido bom. O supervisor não pegou mais no meu pé. A gente já se dá bem, e por eu estar trabalhando bem ele até faz vista grossa pra algumas coisas. Haha enfim, ta tudo caminhando muito bem. Mas apesar de estar curtindo o trabalho, também dou umas escapadas boas. É aquela coisa de “último cruzeiro”, sabe? A gente se dá o luxo de fazer muitas coisas teoricamente erradas. Cruzeiro passado, de uma semana, faltava uma pessoa ali, e ainda tinha a Iuliia que era nova, então eu trabalhei em triplo, pela pessoa que faltava e por ela. Cansei demais. Agora nesse cruzeiro já tem dois guris novos, e como eles tem que aprender o meu trabalho e do Victor, já que estamos indo embora, eles fazem tudo, trabalham em todos os setores. Pra mim ta ótimo. Deixo eles trabalharem bastante por mim. Haha claro, eu ainda trabalho duro, mas eles me ajudam bastante. E os guris são gente boa. A gente ta com um time muito bacana ali na crew mess, até por isso tenho trabalhado feliz. E eu e o Victor com aquele ar de veteranos. Quando a gente for embora, TODOS ali vão ser novos. Das antigas, só tem nós dois mesmo. Então a gente ta podendo, o que a gente fala e faz é lei. Haha Tudo só começou a ficar bom depois que eu me conformei que só queriam me foder e que não ia adiantar eu discutir mais. Agora eu não discuto, e ninguém também enche meu saco. É uma merda, mas pelo menos é a merda que eu me conformei em conviver.

Discutir mesmo, só com os ucranianos. Sério, na última semana discuti sério com dois deles. Mas eles se foderam, porque eu tinha completa razão. Se eu já discuto quando não tenho razão, vocês podem imaginar como é quando eu a tenho. E é tudo por folga deles. Eles acham que tão em casa e fazem umas merdas absurdas. Nas duas situações eu disse: “aqui não é a tua casa e eu não sou a tua mãe pra limpar as suas merdas”. Eles ficaram putos, e eu na maior calma do mundo. Eu vou atrás e mando eles consertarem as cagadas. Claro que eles ficam putos, porque o que eles esperam é que a gente fique quieto e vá lá limpar/arrumar pra eles. No way! Agora eu reclamo mesmo. Massa que todo mundo já conhece meu estilo, daí quando eu to por perto eles tomam o maioooor cuidado do mundo. Hahahaha porque tipo, eu paro do lado das possíveis cagadas e fico olhando, na maior cara dura. E eles ficam mó inibidos e tomam cuidado. Só que apesar de ser bravo assim, me dou bem com quase todo mundo que come ali. A galera me chama pelo nome. (isso realmente é raro por aqui, porque a maioria é chamada de “capo”).

Ah, ontem eu fui caminhar na praia em Cadiz (Espanha) com o Leandro (Venezuela), que trabalha como videógrafo, que é o que eu quero fazer muito em breve. Foi agradável. Vimos bastante top less. 8-) A Espanha continua sendo meu lugar predileto da Europa.

As coisas aqui são muito intensas. Acho que por isso quero ir pra casa. A gente recebe uma carga de informação muito grande, e meio que estressa. Não dá tempo de assimilar tudo, de respirar, de pensar. Tudo simplesmente vai acontecendo. E quando você vê, o tempo passou. Me faltam 16 dias pra ir pra casa. Dá pra imaginar? Parecia uma eternidade quando cheguei. Dessa forma, parece que o tempo voou. Mas estava vendo fotos agora, de coisas que aconteceram aqui. E da mesma forma parece que o tempo parou, que isso tudo aconteceu há séculos atrás. Sem dúvida minha noção de tempo sofreu sérias alterações aqui. E o que me dói de verdade é pensar que perdi tempo de vida no meu país. Tipo, to fazendo aqui alguma coisa longe da minha profissão. E quanto mais tempo sem fazer isso, pior. Perco meus contatos e minhas esperanças em terra. E perco também a prática. Ruim isso. Demais.

Aaaaaaaai como me dói ter só uma amostra grátis do mundo.

Tiau!


UPDATE


7 dias vão...

...e eu nem fui ver.

Data: 02/08/09
Hora Local (at sea): 15h16
Hora do Brasil: 10h16


Gente, estou no meu último cruzeiro. Que emocionante! Nem eu acreditava que eu chegaria até o fim. Hahaha

Bom, o clima é de nostalgia, claro. Primeiro porque vou embora, então já estou com saudade das pessoas daqui. Sério! Tava vendo fotos agora de novo, e essas fotos que aparecem gentes de todas as partes do mundo me emocionam. Sei lá, não é todo dia que você tem a oportunidade de falar com gente de todo puto canto do planeta. Aqui é a coisa mais normal do mundo. Eu to em contato diário com mais de 40 nacionalidades. É de se espantar. E eu vou sentir falta disso. E também é nostálgico porque neste último Southamptom muita gente bacana foi embora. Não doeu tanto como das outras vezes porque eu também já estou indo, então se eles não me abandonassem agora, eu os estaria abandonando muito em breve. Mas o que mais deixou saudades mesmo foi o Deepack, um dishwasher muito gente fina. Um cara que eu admirava e admiro ainda, e que desejo toda sorte do mundo pra vida dele. Quem sabe um dia, em alguma parte do mundo, a gente se encontre. Seu último dia de trabalho foi só festa lá com a gente, porque zoamos muito com ele e tiramos muitas fotos. Enfim... são coisas que acontecem. Essa vida é cruel demais [39].

Sobre novidades, só sei dizer que o clima do trabalho ta bom. Que me dou bem com o supervisor e que ele até me elogia agora. O novo que chegou também falou bem de mim. Na verdade, adianta de merda nenhuma, porque eles ainda me deixam na porra da crew mess. Haha mas como eu já disse, lá é uma merda, só que eu me acostumei demais lá e nem quero mais sair. Já consegui respeito de todo mundo (ou quase). Sinceramente, se eu voltar pra cá, vou querer continuar na mesma coisa. O supervisor falou que provável que eu volte e vá direto pra officer’s mess, mas eu nem quero. E se eu voltar, você já sabem o motivo. Não me interessa porra de promoção nenhuma. Só volto pra pedir meu câmbio de função e pra conhecer a Grécia e Egito. *_*

Vamos ver... tem muita coisa pra acontecer nos meus 2 meses de férias ainda. Se acontecer algo muito bom, nem volto não pra cá.

Eu ensinei a Spasjia e a Iuliia a falar “eu amo você”. Ahaha elas mal sabem o que tão falando (claro que eu contei que é ‘I love you’, mas...) e eu peço pra elas repetirem todo tempo. Claro que elas não repetem, porque sabem que eu to explorando. Mas de vez em quando elas falam, tudo errado, e é muito engraçado. E só assim pra alguém me amar aqui. Tsc! E em troca, eu aprendi a falar o mesmo na língua delas: “te sakam” em macedônio e “ya tebya liubliu” em russo (apesar de ela ser ucraniana, eles falam russo também). E é claro que a escrita ta completamente errada, mas é assim que se pronuncia.

Ninguém ta lendo mais meus textos longuíssimos, né?

Das vidania.
.