22.2.10

.eva

Data: 05/02/10
Hora Local (Freeport – Bahamas): 04h06
Hora do Brasil: 07h06

Não resisti à tentação. Não tive a mesma sorte que a mulher da costela, porque a minha maçã já veio mordida. BTW, tô feliz com a aquisição. Depois que descobri (um dia antes) que existia desconto de 8% pra funcionários da Royal Caribbean na Apple Store, não pensei meia vez pra decidir comprar o quanto antes. Comprei em Miami Beach, porque não basta ser humilde (mentira – era a loja mais perto). Caía o mundo, tempestade forte. São Paulo deve se orgulhar, porque Miami também alaga. Mas não quis nem saber. Era o último Miami antes de ir (vir) pro Dry Dock e eu não conseguiria resistir mais 10 dias até voltar pra lá. E com os 7% a mais de impostos com menos 8% de desconto, o preço ficou basicamente original. No Brasil eu pagaria o dobro do preço, sem qualquer exagero. Bem, tô feliz. Só me falta agora ir atrás de softwares pra deixar o brinquedo novo mais divertido.

Falando em Dry Dock, a coisa aqui tá corrida (e divertida). Tudo de perna pro ar. Hoje tirei fotos, mas filmo todos os dias. Actualmente (sic) estamos fazendo um documentário da coisa, dia-a-dia. Se eu não enjoar, vai ficar bacana.

Semana que vem a Priscila e Manoela, dos tempos da faculdade, vêm fazer cruzeiro aqui. Bacana! Não vejo essas pessoas desde a faculdade (tss, muito tempo atrás – odeio parecer velho) e por ironia do destino vamos nos encontrar a milhares de quilômetros longe de casa, no meio do mar. E só pra abrir um parênteses (eu nem ia abrir parênteses, mas abri só pra não me contradizer), a porcentagem de pessoas da faculdade que vive fora do Brasil é enorme. Difícil é achar alguém que ainda vive em Curitiba. O mais legal de tudo isso é que ninguém imaginava essas coisas pra vida – mi tampoco.

Tiau. Quatro da manhã e eu preciso acordar às oito. Tenho trabalhado mais do que em dias normais (enquanto a maioria trabalha menos da metade que o normal. Mas como diz a Bianca: - “um dia você ia ter que trabalhar”)