12.1.10

.miami, bitch

Data: 11/01/10
Hora Local (Nassau - Bahamas): 21h49
Hora do Brasil: 00h49

Fui pra Miami Beach com gente do mundo inteiro. Colômbia, Canadá, Suiça e Austrália. Um mix bacana pra ir conhecer a praia dos famosos. Devidas proporções, é como o calçadão de Copacabana/Ipanema. Comemos por ali. Caro, claro. Mas de vez em quando é bom se sentir rico, porque ser pobre todo dia não dá.

A canadense se tornou minha amiga, mas pena que ela vai embora em 3 dias. Hoje foi embora o Thiago, um brasileiro que não aguentou o tranco e pediu pra sair, com apenas 3 semanas. O Hans e a Lima vão embora logo também, dois brasileiros dos bons. Pessoas legais têm ido embora e nenhuma tá chegando. Que droga!

Fomos no Bambu de novo essa semana. Mas nada demais. Além da companhia dos mesmos amigos de Miami Beach, não interagi com mais ninguém. Aliás, só voltei embora com duas das meninas mais lindas do navio (USA e UK), dançarinas, trêbadas, que não sabiam o caminho de casa. Pena que eram 3 da manhã, sem nenhuma alma-viva na rua pra testemunhar meu feito. Quando eu conto pra alguém, ninguém acredita. Nem vocês. Elas (e todo cast) também vão embora daqui uns dias.

Espero que o cast novo seja bacana como o atual. Meus melhores amigos são eles.

Muita gente vai embora por causa do Dry Dock, que vai de 1 a 9 de fevereiro. Ficaremos atracados em Freeport, que é outra ilha das Bahamas. Provavelmente fará frio, porque é mais ao norte. Quem fica, trabalha bastante pra organizar todas as mudanças. Mas esse navio precisava mesmo participar do Lata Velha. Vou escrever uma carta pro Caldeirão.

Apesar de todas as coisas ruins e velhas que têm nesse navio, eu acho que tive sorte de cair nele. Itinerário péssimo, mas minha vida é boa. Tenho tempo sobrando, posso dormir bastante. Realmente eu aprendi a fazer meu trabalho e já domino tudo que me diz respeito. Ainda tem coisa pra aprender, claro, mas são coisas além das que competem a mim especificamente.

Eu tenho um projetor na minha cabine agora. Cinema em casa, há!

Tiau.