7.12.10

.três e vai

Data: 22/11/10
Hora Local (Miami – USA): 02h24
Hora do Brasil: 05h24

É verdade, subiu pra 3 a diferença. E subiu pra 3 meses de contrato.
Sei que é paia escrever uma vez por mês, mas eu esqueço e nem sinto vontade. Mas quando completa o mês eu lembro que preciso escrever. Daí fico enchendo de ladainha, igual essa introdução desnecessária.

Tudo por aqui vai so far so good. Finalmente minha assistente chegou. Uma londrina (não londrinense, alow!) linda, 26, daquelas que tomam green tea às 5 e tudo, loira dos olhos azuis e simpática até dizer que chega, com o sotaque South London mais amável (“I need to buy wáttah”). Em outras palavras: melhor que a encomenda. Eu ainda tenho muita coisa pra ensinar pra ela, o que me faz trabalhar em triplo (porque antes eu trabalhava por mim e pela pessoa que faltava; agora eu trabalho por mim, trabalho ensinando o trabalho dela e trabalho ‘corrigindo’ o trabalho que ela fez), mas será por pouco tempo, até ela ficar craque {se depender do professor [e claro que depende (de mim!)], ela vai} – ai, como eu adoro o português!* E engraçado que todo mundo quer ser meu amigo agora, mas ainda não entendi muito o porquê.

Brasileirada tá tudo indo embora (*português marginal, I mean). Maioria transferida pros “navios brasileiros”. É temporada de caça aos brazucas da fleet. Eu devo ficar aqui até o final do contrato (próximo cruzeiro é o #506, o que significa que completo 100 cruzeiros aqui. Isso mesmo, CEM! – ok, desconta 8 das férias). Mas Johnweyne já voltou, e agora tem o “dirruba” (Pablo) também, então nós 3 somos a nova gangue brasileira, que bebe até 4 da manhã todo dia no back deck, o que a gente chama de night shift. De vez em quando a gente decide que vai tirar day off do night shift (confundiu?), mas dá meia-noite e tá todo mundo lá de novo. Haha tem sido divertido e ter parceiros do copo era o que me faltava (e me sobra barriga agora).

Na verdade, falta só mais uma coisa. Coisa esta que me deixa agoniado, mas ao mesmo tempo é o que me mantém vivo nessa coisa, que me faz pensar e tentar ser criativo – e ter medo, como nos velhos tempos. Por aqui é difícil manter a personalidade da terra, mas de vez em quando eu escuto uns “I love your job” que me deixa orgulhoso. De altos e baixos, tenho tido muito mais altos, que me faz sentir dentro do business ainda. Falando da personalidade, eu não sei se mudei pra sempre ou se sou assim só aqui, com o balanço do mar, mas eu sou bem diferente da pessoa da terra. E sinceramente não sei qual me agrada mais (olha o egocentrismo, querendo dizer que qualquer uma das duas são boas o suficiente – e olha que são, hein!). Mas, pra começo de conversa, aqui eu sou Marcos Aguiar e ninguém nunca ouviu falar do Farion. É legal viver como outra pessoa, especialmente se você é de gêmeos. “Todas as noites quase morro pra renascer a cada manhã”, como diria Raphael Moraes.

Eu não quero viver essa vida pra sempre, mas é difícil achar um motivo pra não.

Abri uma conta no banco. Bank of America. Já disse isso antes? Enfim, o fiz. A idéia era guardar o dinheiro, mas compras online são um risco enorme, hoje gastei $400 só em bugiganga.
Cruzeiro cristão dias atrás. Gentes educadas e bacanas. Navio transformado num carnaval (catedral?). Era um festival, no caso. As mais famosas bandas do cenário GodSpell mundial (mas eu não conhecia nenhuma: Third Day, Newboys, Addison Road, 4HIM, etc etc) com beatinhas fanatiquinhas (groupiezinhas) correndo atrás de uma palheta e tudo mais (e eu, particularmente, catei um par de baquetas pra mim – haha I don’t care). Foi bacana. Bandas realmente muito boas, musicalmente falando. Virei fã de algumas e gravei uns shows, só pra ter. Vai passar no DVD do golfão. Aguarde e verás. Black Friday chegando, arruia!

Encontrei ontem em Nassau uma amiga dos tempos da Princess. Bacana isso, de conhecer uma pessoa na Europa e cruzar com ela nas Bahamas. E legal também essa coisa de surgir alguém na sua vida, de repente, e te fazer mudar de planos. Não que eu tenha mudado algum deles por alguém, mas to só comentando. Especialmente porque eu nunca faço planos mais longos do que 2 horas adiante, então é fácil pra qualquer um comigo. Às vezes me perguntam onde eu vou jantar e eu nem sei ainda sobre o almoço. Tô muito assim, seguindo o fluxo da vida, esperando pelas coisas boas que caem do céu. E, sinceramente, têm caído tempestades na minha vida e não dá nem tempo de abrir o guarda-chuva (de ponta cabeça). Pensamento positivo. (e olha que não é que eu tinha pedido uma menina linda pra trabalhar comigo e foi isso que me deram?). Ainda lembro quando era pra chegar um piá pra mim, no mesmo dia que chegou a Mel pro Jeff. Falei it’s not fair que ele ganha uma menina linda e eu um guri feio. Tanto é que daí o guri nem apareceu, fiquei sozinho por mais quase 1 mês e finalmente me deram uma inglesinha (lembra que mil anos atrás comentei aqui que eram as mais lindas do mundo?). Não sei até quando essa maré boa vai durar, mas até que vire tsunami eu vou curtindo.

Eu disse alguma coisa interessante nesse post? Acredito que não, e nem vou reler pra descobrir (mentira: já reli e esse parênteses to adicionando agora). Amanhã é dia de Harry Potter. Meio navio tá indo ver, mas eu não terei tempo. Irei com Francy pra South Beach, instead of cinema com a Mel. Na verdade o instead era a outra coisa, mas foi o que deu pra conseguir pra amanhã.

Vamo que vamo. “Vamo pra frente que pra trás não dá mais”, me fez lembrar a baiana porreta que trabalha na crew mess (o povo que eu mais respeito no navio, adivinhe porquê).

Bye!