29.9.10

.um mês se foi



Data: 20/09/10
Hora Local (Miami – USA): 02h49
Hora do Brasil: 03h49

Tava demorando mas, agora que completou um mês, parece que o tempo voou. Da mesma forma, quando paro pra pensar, parece que estou 1 ano fora de casa, porque já faz quase 1 ano que cheguei nesse navio pela primeira vez. Tudo é igual apesar de ser tudo diferente agora.

A promoção temporária rolou, então nem deu nada por eu ter falado antes da hora. Já fazem uns 10 dias que sou chefe dessa birosca, vulgo Head Broadcast Technician. Cabine nova com janela (a famosa escotilha), TV de plasma 42” onde eu ligo meu MacPro e uso com teclado e trackpad wireless aqui da minha cama de casal enorme (de onde vos escrevo). Uma regalia e um luxo para poucos. Ganhei meia stripe, o que me faz entrar pro grupo de Staff two-and-a-half stripes (se fizer as contas, dá pra saber que eu já tinha duas). Tipo assim, ganho mais responsabilidade em todos os aspectos, não só no trabalho de broadcasting, mas nas atividades gerais da vida de marinheiro. Por exemplo, antes eu era segundo comandante da minha estação de emergência. Era quem fazia o controle de quem embarcava no life-boat (botes). Agora eu sou da parte de comunicação da minha estação nova, que controlo não só a minha como 5 outras estações. Tipo, só pra exemplificar. Sem contar que agora também devo comparecer a reuniões chatas e tenho atividades extras como Senior Staff on Duty, que controla a chegada de novos tripulantes, 2 vezes por mês. Amanhã é meu primeiro dia fazendo isso, na verdade. Tenho que ter controle das pessoas que chegaram e explicar os procedimentos pra eles, andar pelo navio e bla bla bla. Enfim, várias atividades novas englobam essa coisa de promoção. No trabalho em si mudou pouco. Meus problemas maiores são com o Satellite, que quando tem jogo da NCAA ou NFL tem que alterar as configurações e isso é chato de fazer, difícil, e até que eu consiga, recebo milhares de ligações perguntando quando o canal vai voltar pro ar. Mas é legal. É tipo o cara que chega pra instalar TVA na sua casa, que instala uma anteninha fajuta no seu telhado, mira pro satélite e capta o sinal com um receptor meia-boca até a sua TV. A diferença é que aqui eu tenho uma puta antena no teto do navio, e estamos sempre em movimento, em alto-mar, e essa antena precisa seguir a freqüência e mandar o sinal pras dezenas de receptores que eu tenho na minha sala, pra daí eu mandar cada canal pro seu devido lugar. Esse é meu trabalho, botar no ar 28 canais de TV, 24 horas por dia. Quando eu era adolescente minha mãe achava ruim eu ficar assistindo TV o dia inteiro e ser um inútil na vida. Hoje eu ganho dinheiro fazendo a mesma coisa, então acho que agora ela se orgulha. Tudo que eu faço é assistir TV dia e noite.

A parte legal é que agora eu tenho alguém trabalhando pra mim. Chegou uma Broadcast Technician pra fazer o trabalho que eu fazia. Uma menina, do México. Ela manda bem no serviço e eu não preciso mandar ela fazer muita coisa. To curtindo, porque nunca tive alguém que se reportasse direto a mim, nunca fui chefe de porra nenhuma e não sabia como eu iria reagir. Mas até que to indo bem. Já chamei atenção dela uma vez (porque não teria graça ser chefe sem fazer isso) e to curtindo o fato de ter a responsabilidade total de tudo que acontece na Broadcast Room. Se der uma merda em qualquer canal ou qualquer TV ao redor do navio, ninguém mais além de mim pode resolver. Se eu não souber, fudeu!

Mas dá medo. Receber promoção é perigoso, faz a gente querer ficar nesse negócio pra sempre. Cada vez que eu embarco eu digo que é a última vez, mas daí paro pra pensar e... porra! É meu segundo contrato aqui e já to dando step up, recebendo reconhecimento e confiança da companhia, empresa multinacional, dona do maior navio do mundo (Allure vem aí), me pagam 3 vezes mais do que me pagariam no Brasil, tenho a chance de trabalhar em qualquer continente do planeta Terra, tô sendo respeitado e reconhecido pelos colegas de trabalho, fazendo amigos ao redor do mundo e viajando nos mares das Bahamas, com uma cabine só pra mim, com uma janela que faz o sol bater na minha cara de manhã e ver as estrelas à noite, uma TV de plasma e um MacPro. Tirando a comida ruim, não tenho absolutamente nada do que reclamar por estar aqui. Claro que poderia estar melhor, se alguma das dançarinas gatas já fosse minha namorada, mas ainda é uma questão de tempo. Não fosse também a saudade da família, dos amigos e do meu carro, estaria ótimo. Nem tudo é perfeito, só que por enquanto a vida que eu levo é a melhor que eu consigo no momento.

Acabei falando só de trabalho, mas eu tinha algo mais pra falar. Talvez seja do furacão. Nos últimos 6 dias, estivemos 4 em Nassau e 2 em Miami. CocoCay está fora da rota por enquanto, por causa dos furacões. São 2 lado a lado. Earl foi embora, mas chegou Igor e algum outro que não lembro o nome. O mar está agitado e temos ficado no porto o máximo de tempo possível. O clima tá bom, porque não faz aquele calor infernal de antes. Faz calor, mas agora tem vento pra refrescar e à noite fica uma delícia.

Ah, também outro dia fui numa festinha na cabine do capitão. E, pqp! Aquilo que é vida. Ele mora num apartamento, não dá nem pra chamar de cabine. Tem sala, cozinha, escritório e essas porras todas.


Em janeiro, excepcionalmente, iremos para o México. Acho que esse navio não navega por águas do Golfo já tem bem uns 10 anos. E eu não visito um país novo já tem bem uns 10 meses. Faz falta.

Por hoje é só, folks. Vou desabilitar os comentários desse blog porque ninguém usa essa bosta mesmo. Daí pelo menos assim eu não crio nenhuma expectativa com o que as pessoas pensam sobre as baboseiras que eu escrevo. Não adianta dizer que ninguém entra aqui, porque no dia seguinte que eu posto qualquer coisa tem mais de 100 visitas, mas feedback que é bom, ninguém manda. Acho que a maioria me acha metido, se até minha mãe acha. Mas que se foda também, eu sou metido mas sou feliz. Melhor do que ser invejoso infeliz. Quem quiser saber de mim (além da Michele, que é a única que parece que se interessa), me escreva um e-mail no farion[at]gmail.com. Não me mandem scraps dizendo que eu não mando notícias, porque essa merda aqui serve pra isso e vocês também não me perguntam nada e não me contam nada, e eu nem entro mais naquela porcaria de Orkut mesmo.

Tiau. =)

.